Eduardo Siqueira Campos
Para Eduardo Siqueira, empréstimo de quase R$ 500 milhões que Amastha que contrair é antiético 

O ex-senador da república e deputado Estadual Eduardo Siqueira (DEM), afirmou ao site JM Notícia, que o empréstimo de R$ 463 milhões de reais, que o prefeito de Palmas quer contrair junto à instituições financeiras internacionais, “não é muito ético”, referindo-se ao fato do gestor estar em seu último ano de mandato.

Para Eduardo Siqueira, seria quase impossível conseguir nesse momento um empréstimo internacional, porque seria necessário submeter o requerimento ao processo de tramitação da Secretaria do Tesouro Nacional, e ao parecer da Advocacia Geral da União.

“Não creio que a STN daria parecer favorável nesse momento, pois implica em endividamento com aval da União”.

“Para a comunidade, seria bom que que a Câmara não concedesse essa autorização”, acrescentou Eduardo Siqueira Campos.

SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

De acordo com a Secretaria do Tesouro Nacional, “para obter empréstimo no exterior, os governos estaduais e as prefeituras precisam da aprovação do Ministério da Fazenda e, posteriormente, do aval da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE), e do Plenário do Senado”.

VEJA TAMBÉM
Campelo lamenta desrespeito de secretário com comerciantes de Taquaralto, Andrino constesta

ARNALDO FILHO COMENTA

Advogado de Araguaína ajuíza nova ação contra Detran para reduzir valores das vistorias e suspender contratação ilegalAdvogado de Araguaína ajuíza nova ação contra Detran para reduzir valores das vistorias e suspender contratação ilegal
Advogado de Araguaína, Arnaldo Filho 

Para o advogado Arnaldo Filho, “A vedação de contratação de operações de crédito nos 180 dias antes do fim do mandato visa preservar a gestão pública, evitando o endividamento do poder público. Além disso, previne que futuros governos sejam também prejudicados, e impede que esse crédito seja, eventualmente, usado em obras e projetos eleitoreiros”.

Para o advogado, a vedação é uma garantia da moralidade administrativa.

TRIBUNAL DE CONTAS

Em manual publicado em novembro de 2015, pelo Tribunal de Contas de São Paulo, no último ano de mandato o Prefeito não pode contratar operação de crédito, por antecipação da receita orçamentária, as chamadas ARO (art. 38, IV, “b” da LRF). De acordo com Lei de Crimes Fiscais (Lei n° 10.028/2000), que introduziu no Código Penal o art. 359-A, tal conduta constitui crime sujeito à reclusão de um a dois anos. Quanto às operações normais de crédito, de caráter orçamentário, a Resolução Senatorial nº 3, de 2000, proíbe a execução das mesmas 180 dias antes do término do mandato executivo.

VEJA TAMBÉM
Prefeitura reúne comerciantes para definir melhorias nas feiras livres de Araguaína

emrpestimo

VEREADOR FOLHA (PSD)

Ao JM Notícia, o vereador Folha elogiou a atitude do prefeito Carlos Amastha. Para ele, em tempos de crise, é preciso ter criatividade, e o prefeito Carlos Amastha está criando mecanismos para que a cidade não pare, em um momento tão delicado da economia.

As frustrações concernentes às receitas orçamentárias que o município deixou de arrecadar são grandes. Até abril deste ano, ela ultrapassou a marca de R$ 2 milhões de reais. Folha lembrou que o município deixou de receber do Governo Federal esse ano mais de R$ 36 milhões de reais.

Milton-Neris
Vereador Milton Neris

MILTON NERIS

Para o vereador Milton Neris (PP), oposicionista na Câmara de Palmas, um projeto desse porte que implica em endividamento do município perante órgãos internacionais, tem que ser discutido com a sociedade:

“Não podemos ser irresponsáveis em aprovar um empréstimo de quase R$ 500 milhões de reais sem consultar a sociedade. Temos que analisar a capacidade de pagamento da capital e também do endividamento. Isso é muito sério”, frisou Milton Neris, lembrando que ainda não foi colocado para discussão, pois há mais de 70 dias, a pauta segue trancada por articulação do Governo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.