Seca na Região Sudeste do Estado é tema do discurso do deputado Wanderlei Barbosa
Deputado Wanderlei Barbosa

O deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD), subiu a tribuna na manhã desta terça-feira (07), para criticar a gestão do prefeito Carlos Amastha (PSB), e citou a reportagem publicada pelo JM Notícia, que trata do empréstimo que o Prefeito quer contrair junto às instituições internacionais, que beira a bagatela de quase R$ 500 milhões de reais.

Para o deputado, o empréstimo  de quase meio bilhão de reais é imoral. “O Amastha é mágico. Ele tem o poder de sumir com esse dinheiro daqui até as eleições”, acrescentou o parlamentar pedindo que a Câmara de Palmas, não autorize esse empréstimo.

“Ao apagar das luzes, Amastha que encher os cofres da Prefeitura para o povo de Palmas pagar tudo futuro, tenha o seu futuro comprometido no futuro”.disparou Barbosa.

TRIBUNAL DE CONTAS

Em manual publicado em novembro de 2015, pelo Tribunal de Contas de São Paulo, no último ano de mandato o Prefeito não pode contratar operação de crédito, por antecipação da receita orçamentária, as chamadas ARO (art. 38, IV, “b” da LRF). De acordo com Lei de Crimes Fiscais (Lei n° 10.028/2000), que introduziu no Código Penal o art. 359-A, tal conduta constitui crime sujeito à reclusão de um a dois anos. Quanto às operações normais de crédito, de caráter orçamentário, a Resolução Senatorial nº 3, de 2000, proíbe a execução das mesmas 180 dias antes do término do mandato executivo.

VEJA TAMBÉM
Wanderlei Barbosa comemora data especial neste domingo, 12

emrpestimo

ARNALDO FILHO COMENTA

Advogado de Araguaína ajuíza nova ação contra Detran para reduzir valores das vistorias e suspender contratação ilegalAdvogado de Araguaína ajuíza nova ação contra Detran para reduzir valores das vistorias e suspender contratação ilegal
Advogado de Araguaína, Arnaldo Filho 

Para o advogado Arnaldo Filho, “A vedação de contratação de operações de crédito nos 180 dias antes do fim do mandato visa preservar a gestão pública, evitando o endividamento do poder público. Além disso, previne que futuros governos sejam também prejudicados, e impede que esse crédito seja, eventualmente, usado em obras e projetos eleitoreiros”.

Para o advogado, a vedação é uma garantia da moralidade administrativa.

Assista o vídeo:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.