Por Antonio Bandeira

6f63b22c-72c9-45ae-9d48-5d08b29b60fbPastor Antônio Xavier, conselheiro da Comissão de Reforma do Credo da AD Brasil, juntamente com demais membros do Conselho. Foto: Divulgação

O Pastor Antônio Xavier, que exerce a função de vice-presidente do Conselho Nacional de Doutrina da Assembleia de Deus no Brasil, esteve reunido no último dia 02 de junho, com o Conselho de doutrina e a comissão apologética da CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil).

A reunião, realizada nas instalações do prédio da CPAD no Rio de Janeiro, teve como pauta a reforma do credo da Assembleia de Deus.

Dentro da proposta de reforma do credo da Igreja cada conselheiros elaborou a dissertação de um tema relacionado aos fundamentos da fé cristã que compõem o nosso credo. A proposta nasceu pelo entendimento da direção da AD no Brasil que entendeu ser de grande relevância estabelecer os fundamentos doutrinários das razões porque cremos, incumbindo os conselheiros dessa importante tarefa.

Na condição de conselheiro, o Pastor Xavier ficou encarregado de elaborar um artigo doutrinário sobre “O pecado original”, já tendo, desse modo, elaborado e apresentado a produção textual à Casa Publicadora e aos demais conselheiros.

VEJA TAMBÉM
Justiça determina intervenção judicial na CGADB para conduzir as eleições

Além do Pr. Xavier, também fazem parte da comissão, o Diretor da CPAD, Ronaldo Rodrigues, os pastores Claudionor Correia de Andrade, Elienai Cabral, Ezequias Soares, Paulo Freire, José Gonçalves, Padilha, Douglas e Alexandre (presentes na foto). Todos estes conselheiros fazem parte da comissão de reforma do credo da Assembleia de Deus no Brasil.

Segundo o pastor Antônio Xavier, além de dizer no que cremos, o formato do novo padrão do credo da AD Brasil, que deverá ficar com 16 artigos, todos com o devido fundamento doutrinário das santas escrituras, dirá as razões porque cremos. Depois de concluído o trabalho de elaboração a Casa Publicadora deverá produzir material gráfico que será distribuído em todo o país, às igrejas vinculadas à CGADB.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.