silas_malafaia-2
Vídeo é direcionado a procurador-geral Rodrigo Janot

Como tem sido frequente nos últimos meses, o pastor Silas Malafaia gravou um vídeo para comentar os últimos acontecimentos da política nacional. Em pouco mais de três minutos ele enviou uma mensagem ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Conforme foi amplamente divulgado pela imprensa, Janot encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros, do senador e ex-ministro de Temer, Romero Jucá, do ex-presidente da República José Sarney, e do presidente da Câmara afastado, Eduardo Cunha, todos do PMDB.

O caso está com o ministro do Supremo Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF. Ele deve levar ao pleno do Supremo. Segundo o que foi “vazado”, a justificativa das prisões é a tentativa desses políticos em obstruir as investigações da Lava Jato. O caso veio a público após a divulgação de gravações feitas pelo ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado.

Para Malafaia, a lista de pedidos de prisão deveria incluir mais nomes: Dilma, Lula, Edinho Silva, Aloísio Mercadante, Gleisi Hoffmann, Humberto Costa e Lindbergh Farias – todos do PT.

VEJA TAMBÉM
"Janot foi infeliz", diz vereador Campelo sobre ação contra Palmas

Ao fazer essa avaliação, ele reafirmou sua postura: “Quem deve, que pague… seja quem quer que seja!”. Contudo, afirma não entender os motivos que levaram a PGR a levar em consideração as gravações de Machado e ignorar várias outras gravações e delações que foram igualmente reveladas ao público.

Ao mesmo tempo em que parabeniza o “belíssimo trabalho do Ministério Público Federal”, o pastor disse que corre-se o risco de vermos no país uma desmoralização da justiça com essa demonstração de parcialidade.

“A sociedade brasileira quer ver incluídos os outros denunciados da Lava Jato”, enfatizou Malafaia. “Parece que o senhor está protegendo petralhas e Dilma”, encerrou.

Assista:

Via Gospel Prime

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.