Ronaldo explicou sobre o valor da tarifa, que passará a ser de R$ 3 para usuário do bilhete eletrônico; de R$ 3,25 em dinheiro e vale-transporte; e de R$ 1,62 para estudantes
Ronaldo explicou sobre o valor da tarifa, que passará a ser de R$ 3 para usuário do bilhete eletrônico; de R$ 3,25 em dinheiro e vale-transporte; e de R$ 1,62 para estudantes

A Prefeitura de Araguaína, por meio da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (AMTT), está finalizando os procedimentos para o contrato emergencial com a empresa Passaredo, de São Paulo, para atender os usuários do transporte complementar na cidade. Após análise de propostas de várias empresas, a que ofereceu maior segurança de atender todos os requisitos especificados pela AMTT foi a paulista.

O anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira, dia 13, durante entrevista coletiva para a imprensa local de Araguaína. Participaram da coletiva o prefeito Ronaldo Dimas, o presidente da AMTT, Gustavo Fidalgo, e o vereador Luzimar Coelho (PRTB).

Dimas informou que a empresa começa a operar a partir do dia 19 de junho. Inicialmente, serão 20 veículos que vão atender a cidade. Trinta dias depois, se houver demanda, mais dez veículos vão compor a frota, completando 30 carros.

O prefeito explicou sobre a escolha desta empresa que vai assumir emergencialmente o transporte complementar no período de seis meses. “Muitas empresas nos procuraram, algumas imediatamente desistiram, outras até insistiram até em prestar esse serviço. No final, nós ficamos entre três e escolhemos a Viação Passaredo pela tradição, uma empresa muito antiga que presta serviços em diversos municípios de São Paulo, também em Goiás; e a gente optou por ela por sentirmos mais segurança na operação e na capacidade financeira da empresa”, disse.

VEJA TAMBÉM
Prefeitura inaugura a Via Lago, novo cartão-postal de Araguaína

Demanda
Atualmente, o Município tem uma média de mais de nove mil passageiros por dia, segundo dados levantados pela AMTT. O processo licitatório para o transporte complementar deverá ser feito nos próximos seis meses, tempo previsto para o serviço emergencial, conforme prevê a legislação vigente.

Modelo da frota
Os veículos que atenderão a comunidade terão a capacidade para 38 pessoas sentadas e pelo menos 30 em pé. Toda a frota será de veículos seminovos.

Tarifa
Ronaldo explicou sobre o valor da tarifa, que passará a ser de R$ 3 para usuário do bilhete eletrônico; de R$ 3,25 em dinheiro e vale-transporte; e de R$ 1,62 para estudantes. “Esse era um dos empecilhos para que as empresas quisessem atuar na cidade. O valor já estava há mais de cinco anos sem reajuste”, pontuou.

O valor da tarifa em Araguaína era o mais baixo cobrado em cidades de médio porte do Estado, como Gurupi, e na capital Palmas, por exemplo.

Empresa
Ao longo de 32 anos de atuação no mercado de transportes, a Passaredo possui sete empresas com mais de 800 funcionários e transporta em média três milhões de passageiros por mês. Atualmente, o Grupo Passaredo trabalha em diversas modalidades de transporte: Transporte Urbano, Fretamento Eventual, Fretamento Contínuo e Transporte Estudante.

VEJA TAMBÉM
Em Araguaína, Dimas abre licitação para término da obra da Rodoviária

A Viação Passaredo está devidamente regulamentada perante todos os órgãos pertinentes à atividade de transporte de passageiros como ANTT (Agência Nacional de Transporte e Trânsito), ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) e EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo).

Entenda
A Prefeitura assumirá o transporte complementar emergencialmente, a partir de 19 de junho, após o recolhimento dos ônibus da cooperativa que tinha a permissão para realizar os serviços. A Prefeitura já havia notificado a empresa por diversas irregularidades.

O que a cooperativa alegou, já no último mês, foi que a passagem estava abaixo do necessário, causando um déficit nas contas. O pedido de reajuste chegou a ser enviado à Câmara, mas antes de ser avaliado, a cooperativa saiu de operação.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.