16_Uzbekistan_2011_0050102023 (1)Mia* é uma cristã asiática que participou de um treinamento da Portas Abertas para novos empreendedores, e durante esse período sentiu que Deus a inspirou a abrir seu próprio salão de beleza, desde então tem sido surpreendida com vários acontecimentos inusitados. “Eu já trabalhei em vários salões de beleza e tinha a ideia de montar algo para mim, mas não sabia nem por onde começar. Os cursos de formação da Portas Abertas, então, ofereceu as ferramentas das quais eu precisava. Aprendi a fazer a contabilidade e muitas outras coisas importantes para o bom gerenciamento de um negócio. Então eu orei e disse a Deus que o salão de beleza seria como um ministério”, conta ela.

Atualmente, Mia compartilha o evangelho com as pessoas que frequentam o salão. “Nem sempre é seguro, mas eu confio na orientação de Deus. As pessoas sempre voltam trazendo mais alguém. O número de clientes está aumentando e de novos convertidos também”, comenta. Ao ser questionada sobre os resultados de suas pregações enquanto trabalha, Mia compartilha: “Uma menina ouviu o que eu disse a respeito de Jesus, o nome dela é Uyger*. Durante alguns dias ela pensou a respeito e quando voltou, estava decidida a aceitar a Cristo como seu Salvador”, disse.

VEJA TAMBÉM
Policial perde emprego por evangelizar de uniforme de trabalho

Mas Uyger era de uma família muçulmana e quando seus pais descobriram que ela havia se convertido ao cristianismo, ela foi colocada para fora de casa. Sem emprego ou lugar para viver, a menina foi contratada para trabalhar no salão de beleza de Mia. “Essa foi a forma que encontrei para protegê-la. Todos nós passamos por momentos difíceis por causa da nossa fé, e devemos nos unir nessas horas”, afirma. Ao colaborar com a Portas Abertas, você também está estendendo a mão para cristãos que precisam de estratégias para espalhar as boas novas em países perseguidos. Lembre-se deles em suas orações.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.