Screenshot (3)Objetivo foi debater sobre o respeito à diversidade religiosa a partir das situações de intolerância ocorridas no Estado. Foto: DPE/TO

Integrantes do COERDR – Comitê Estadual de Respeito à Diversidade Religiosa, e seguidores de diversas orientações religiosas participaram nesta segunda-feira, 20, de uma roda de conversa com objetivo de debater sobre o respeito à diversidade religiosa a partir das situações de intolerância religiosa ocorridas no Estado, no auditório da Defensoria Pública, em Palmas. A Instituição é membro do COERDR, por meio NDDH – Núcleo Especializado de Direitos Humanos da DPE-TO.

A Roda de Conversa trouxe como foco o debate sobre religiões de origem abraâmicas, e na ocasião representantes dos seguimentos religiosos trouxeram alguns aspectos históricos das religiões, construções e crenças, entre eles, Rosangela Bazaia e El Shaimah, da religião Islâmica, o pastor Ricardo Vargas Mora, da Igreja Presbiteriana, que falou sobre o Cristianismo, e Heber Renato Paula Pires, que falou sobre a religião Judaica. “Foi boa oportunidade onde nós expusemos nossos pontos de vistas, falamos sobre nossas religiões e mostramos que não existem diferenças”, destacou a Rosangela Bazaia.

VEJA TAMBÉM
Conheça as novas regras das Eleições Municipais de 2016

Após as explanações dos convidados, os participantes puderam interagir, fazendo perguntas e comentários sobre o que foi exposto, e ainda pontuando sobre as religiões que seguem.

Essa foi a primeira roda de conversa e a ideia do Comitê é realizar outras com palestrantes de outras orientações religiosas. Para o NDDH, é muito importante a participação da sociedade civil e de órgãos públicos no fortalecimento e na elaboração de diretrizes e políticas públicas estaduais, que visem assegurar os Direitos Humanos.

COERDR

O COERDR – Comitê Estadual de Respeito à Diversidade Religiosa do Tocantins (CEDR/TO) foi instituído pela Portaria nº 259, de 03 de junho de 2015, da Sedeps – Secretaria Estadual de Defesa e Proteção Social, atualmente Secretaria de Cidadania e Justiça. Trata-se de um órgão consultivo, deliberativo, propositivo, fiscalizador e de caráter permanente que objetiva favorecer a promoção do direito à diversidade religiosa, o combate à intolerância e a proteção contra violações de direitos humanos por motivação religiosa no Estado do Tocantins, para a construção de uma sociedade pluralista e democrática, para a construção de uma cultura de paz fundada no reconhecimento e respeito às diferenças crenças e convicções. A Defensoria Pública do Estado do Tocantins compõe membro do Comitê, por intermédio do NDDH – Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos, que conta ainda com  a participação de outras instituições e órgãos públicos e movimentos sociais. Com informações DPE/TO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.