De acordo com os últimos relatórios da Portas Abertas, um cristão idoso da cidade de Raqqa que já é considerada a capital do EI, foi obrigado a se converter ao islã porque já não podia pagar a jizya (imposto cobrado aos cidadãos não muçulmanos) em troca de proteção da própria vida. Quando o grupo extremista tomou a cidade, Mostafa Abu Alzer escolheu ficar para proteger sua casa. Na ocasião, em novembro de 2015, cerca de 20 famílias tomaram a mesma decisão e agora estão proibidos de sair de lá. Para aqueles que não podem mais pagar a jizya, só existem duas opções: se converter ao islamismo ou encarar a morte.

É possível que nem mesmo os sírios entendam o motivo da guerra, mas para quem vê de fora, fica claro que existe outra “guerra dentro da guerra”. O EI passou a dominar não somente pequenas terras e povoados, mas grandes áreas da Síria, proclamando a criação de um califado, desde 2014. Jihadistas anunciam a “guerra santa”, investindo suas forças para acabar com aqueles que eles consideram infieis. Milhares de cristãos e minorias étnicas já morreram entre ataques e explosões. O real intento deles é “dominar” o mundo, espalhando sua ideologia e tentando exterminar todos aqueles que não seguem a sharia.

VEJA TAMBÉM
Estado Islâmico reivindica assassinato de cristão no Egito

O que acontece hoje na Síria é inédito para o mundo. O conflito existente entre o governo e o Estado Islâmico (EI), além do envolvimento de forças internacionais é algo tão complexo que fica difícil de entender por falta de comparações históricas. O jornal The Washington Post chegou a nomear o que ocorre no país de “miniguerra mundial”. O que começou com protestos anti-governo em 2011, cresceu tanto que deu origem a uma guerra civil total e há evidências de crimes paralelos acontecendo além da guerra, como assassinatos, torturas, desaparecimentos e até mesmo bloqueios que impedem o fluxo de alimentos e serviços de saúde para a população.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.