Da Redação JM Notícia
Altair Germano
Pastor foi um dos principais críticos a atitude da Casa Publicadora em abrir as portas para um dos maiores nomes da divulgação da teologia reformada no país. Foto: Reprodução

A discussão sobre calvinismo e arminianismo faz parte da atual agenda pentecostal assembleiana, e isso acontece em razão da influência da teologia reformada no contexto pentecostal assembleiano brasileiro. O grave, como já escrevemos, é que com a falta de um posicionamento teológico denominacional mais claro e específico, os próprios órgão oficiais das Assembleias de Deus no Brasil difundem e apresentam a teologia reformada com o endosso do Conselho de doutrina da CGADB (Convenção Geral Geral Geral das Assembleias de Deus no Brasil), causando no mínimo mais confusão nas mentes imaturas e indefinidas teologicamente, que acabam por ouvir um discurso oficial que não é coerente com as publicações oficiais”. O alerta acima é de autoria do pastor Altair Germano e foi publicado em seu blog em abril de 2015. (Veja aqui).

E a preocupação do pastor não se limitava somente ao caso da publicação acima pela Casa Publicadora que era sobre o Dicionário Bíblico Wycliffe, publicado pela CPAD com sua 1ª Edição em 2006, mas também incluía outros casos.
Pastor Altair Germano, que atualmente é missionário na Itália e supervisor de missões na Europa pela IEADALPE, deixou claro em um destes artigos publicado em 2015 que sua postura não se trata de “jihad confessional ou denominacional“, mas que “a grande questão que levanta é a falta de coerência denominacional e teológica de parte da liderança assembleiana brasileira, e um certo silêncio, que pode ser sinal de aprovação, conivência, ignorância sobre o assunto, ou ainda o receio da perda de algum privilégio institucional“.
Caso Augustus Nicodemus
Com o caso da semana passada envolvendo uma palestra, que foi cancelada, na megastore da CPAD no Rio de Janeiro, que contaria com a presença do pastor presbiteriano Augustus Nicodemus, o pastor Altair viu suas preocupações reforçadas. O missionário foi um dos principais críticos a atitude da Casa Publicadora em abrir as portas para um dos maiores nomes da teologia reformada no país.
Se não tomarem uma providência junto a CPAD, teremos em breve calvinistas comentando lição bíblica sobre a doutrina da salvação. Aguardo ainda o posicionamento da Mesa Diretora da CGADB, e dos conselhos de doutrina e apologética sobre este caso público. Mantenho minha indignação, e lamento pelo silêncio conveniente de muitos”, disse Germano em sua página no Facebook dias antes do evento ter sido cancelado após a pressão de pastores.
Alerta Geral
Nesta sexta, 22, pastor Altair publicou uma nota de alerta destinada a “líderes, membros e congregados das Assembleias de Deus no Brasil“, disse.
Germano, na nota, critica a editora assembleiana que segundo ele, “agora, além dos livros de outras editoras, abre também as portas de suas lojas para autores com convicções teológicas e doutrinárias conflitantes com as da denominação” e diz ainda que a CPAD faz isso usando o “argumento de ampliar sua atual “vocação”, e priorizando o aspecto comercial em detrimento do confessional“.
Altair frisa ainda que “não poderia deixar de fazer este alerta, pois sabemos que muitos assembleianos estão expostos ao risco de absolver por meio da editora oficial e de suas lojas, ensinos que não se sustentam à luz das Sagradas Escrituras“.
Confira a nota na íntegra:
Um Alerta para Líderes, Membros e Congregados das Assembleias de Deus no Brasil

Já há algum tempo a CPAD, editora oficial da denominação, vem se afastando de sua missão confessional de contribuir com material inteiramente confiável para promover e preservar a sã doutrina. Em alguns dos livros que trazem o seu selo editorial encontramos autores e conteúdos com teologias que não são compatíveis com aquilo que cremos e que herdamos historicamente dos nossos pioneiros.

Durante os dez anos em que ocupei o cargo de Superintendente Geral das Escolas Bíblicas dominicais na Assembleia de Deus em Abreu e Lima-PE, detectei inúmeras vezes contradições doutrinárias e outros erros nas Lições Bíblicas, onde tive que alertar dirigentes e professores, e em algumas ocasiões comunicando também ao setor responsável da Casa os fatos, sem que uma só vez uma errata fosse publicada em seus periódicos nos casos que informei. Atualmente os mesmos erros e falhas continuam.

Sob o argumento de ampliar sua atual “vocação”, e priorizando o aspecto comercial em detrimento do confessional, a CPAD agora, além dos livros de outras editoras, abre também as portas de suas lojas para autores com convicções teológicas e doutrinárias conflitantes com as da denominação, como o calvinismo, o universalismo e outras.

Diante dos fatos, enquanto não sabemos que decisão será tomada no âmbito interno da instituição, fica aqui o alerta para que os líderes, membros e congregados das Assembleias de Deus no Brasil examinem com bastante cuidado o material publicado pela própria CPAD (livros e lições bíblicas), e o exposto em suas lojas oriundos de outras editoras.

Respeitarei qualquer que seja a decisão interna quanto aos rumos da Casa, mas não poderia deixar de fazer este alerta, pois sabemos que muitos assembleianos estão expostos ao risco de absolver por meio da editora oficial e de suas lojas, ensinos que não se sustentam à luz das Sagradas Escrituras.

Oremos por aqueles que fazem a nossa CPAD, e continuemos a ensinar a sã doutrina ao rebanho que o Senhor nos confiou.

Pr. Altair Germano
Itália, 22/07/2016

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.