O secretário de Estado americano, John Kerry, em Washington, DC, no dia 21 de julho de 2016
O secretário de Estado americano, John Kerry, em Washington, DC, no dia 21 de julho de 2016

O Departamento de Estado americano se declarou “profundamente preocupado” nesta quarta-feira, 27, com os projetos do governo israelense anunciados esta semana de construir centenas de residências para colonos israelenses em Jerusalém oriental.

“Seguimos consternados pelo fato de que Israel continue com este esquema de ações provocadoras e contraprodutivas, que trazem sérias dúvidas sobre o compromisso de Israel a favor de uma solução pacífica e negociada com os palestinos”, indicou o porta-voz da diplomacia americana, John Kirby.

“Estamos profundamente preocupados com as informações que falam de uma oferta do governo de Israel sobre 323 residências nas colônias de Jerusalém leste”, a parte palestina da cidade, ocupada por Israel, acrescentou em um comunicado.

O Departamento de Estado também citou o projeto anunciado na segunda-feira de acelerar a construção de outras 770 residências para colonos israelenses em Jerusalém oriental, o que desencadeou as condenações de parte da ONU e dos palestinos.

“Estas medidas tomadas pelas autoridades israelenses são o último exemplo do que parece representar uma aceleração das atividades de colonização, que erodem sistematicamente a perspectiva de alcançar uma solução de dois Estados“, um palestino e outro israelense, acrescentou a diplomacia americana.

VEJA TAMBÉM
Em Israel, policiais preparam esquema de segurança para vinda do Messias

“Também nos preocupa o recente aumento de demolições de estruturas palestinas na Cisjordânia e Jerusalém leste, que teriam deixando dezenas de palestinos, inclusive crianças, sem teto”, acrescentou Kirby.

A comunidade internacional considera que a colonização, principalmente em Jerusalém oriental, é o principal obstáculo para a paz entre israelenses e palestinos. https://www.afp.com/

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.