Da Redação JM Notícia

Image processed by CodeCarvings Piczard ### FREE Community Edition ### on 2016-08-04 14:31:10Z | http://piczard.com | http://codecarvings.com
Depois de um tiroteio no bairro deixou uma criança paralisada, Corey Brooks sabia que era hora para a igreja a tomar medidas. Foto: Reprodução

Quando um bebê de seis meses de idade, foi baleado e morto na violência relacionada a gangues no bairro de Chicago de Woodlawn, há três anos, Corey Brooks e sua Igreja Nova Beginnings somente ministraram à família de luto. Em junho deste ano, no entanto, quando uma outra criança, desta vez, ficou paraplégica em um tiroteio semelhante no Dia dos Pais, Brooks decidiu ir mais longe, convidando mais de 100 membros de gangues em conjunto para que ele pudesse intermediar uma trégua.

Brooks recentemente concedeu uma entrevista a versão inglesa da revista Cristianismo Hoje (Christianity Todaysobre como ele construiu um relacionamento com membros de gangues, sua reputação na vizinhança, e como ele espera que outras igrejas de Chicago vai apoiar o seu trabalho. Confira a entrevista abaixo:

Quanto tempo você tem tentado mediar essa trégua?

Nós temos falado sobre isso há mais de um ano.Tivemos dificuldades em conseguir que todos concordem. Finalmente, fomos capazes de obter todos para vir para a mesa e, pelo menos, discutir o potencial de uma trégua.

O que você abordou na reunião?

Falei sobre a dor que todo mundo já experimentou como resultado desses tiroteios. Um monte de pessoas lá tinha sido baleado, e se eles mesmo não tinham sido, seus parentes ou amigos muito próximos haviam sido baleados. Eles sabem a dor muito bem, e seu impacto sobre a família e amigos.

Em segundo lugar, eu falei sobre a grande necessidade que temos de ter uma comunidade onde as crianças sejam livres para sair e jogar.

A terceira coisa que eu tentei comunicar é que é muito difícil para as empresas para entrar e contratar quando os indivíduos estão tentando controlar uma área.

Como você manteve a reunião segura?

Isso foi difícil. Um monte de oração. A reunião começou realmente tensa porque essas pessoas realmente nunca estivera em um quarto juntos. Eles estavam vendo uns aos outros como inimigos.

Mas eu abri em orações e defini as regras do jogo e mantive todos cientes; foi assim que eu fui capaz de manter o controle da reunião e comunicar com eles em um nível que não foi de intimidar e ameaçar.

Você já conhecia muitas das pessoas que estavam naquele reunião?

Um monte de caras naquela sala eu conhecia pessoalmente. Eu conheço suas famílias. Tenho ministrado a muitas das suas famílias em tempos de tiroteios e violência armada. Eu construí relações e relacionamento com um monte de gente daquele quarto. Não é algo que aconteceu durante a noite, mas tem sido no processo já há algum tempo.

Você era o único líder de igreja lá?

O único. Eu pensei que seria mais fácil eles me respeitarem se eu  não estive com a polícia ou um monte de outrass pessoas na sala. Eu estava disposto a ser aberto e vulnerável e dar-lhes uma mensagem muito convincente sobre por que eles são necessários na comunidade e por que precisamos deles para se livrar da violência.

Qual é a sua reputação no bairro?

Se você está falando sobre os caras que estão nas ruas que estão fazendo um monte de coisas que são negativas na comunidade, sou altamente respeitado e amado. Uma das razões pelas quais eles estavam tão dispostos a participar neste trégua foi devido a sua admiração. Outro grupo de pessoas não seria tão gentil comigo por causa dos meus pontos de vista políticos. No geral, porém, as pessoas respeitam o fato de que eu defendo o que eu acredito.

Como você construiu relacionamento com membros de gangues do seu bairro?

Por não ser apenas uma igreja que está dentro de quatro paredes, mas por ser uma igreja que está envolvido na comunidade, que está sempre chegando e sempre tentando fazer avenidas e construir pontes para pessoas que normalmente seriam esquecidas ou não consideradas como sendo parte de a Igreja. Estamos sempre tentando alcançar aqueles que estão à margem da sociedade.

Temos uma organização sem fins lucrativos, por exemplo, chamado de Projeto da capa. Nosso objetivo é lutar contra a violência armada em um bairro de cada vez mais por meio de esforços econômicos, sociais e espirituais. Temos programas de verão.

Qual foi a sua estratégia para a construção de relações com a comunidade quando se mudou para Woodlawn?

Envolvimento. Queríamos nos envolver nesta comunidade para que eles saibam que nossa igreja estava aqui e que estávamos aqui para fazer a diferença.

Uma das primeiras coisas que fizemos foi doar bem mais de 25.000 Bíblias: rosto a rosto, mão-de-mão, deixando as pessoas sabem que somos do bairro. Estamos sempre tendo eventos e convidando a vizinhança. Estamos sempre tendo atividades ao ar livre. Temos uma política de portas abertas para todos no bairro.

Fomos plantados neste bairro com um propósito.

Você vê a sua igreja como um exemplo para outras igrejas na cidade?

Esse é o objetivo! Se formos bem sucedidos aqui em Woodlawn, não há nenhuma razão que não vamos entrar em outros bairros e ajudá-los também. Não é apenas um objetivo pessoal meu, mas também para uma série de outras organizações. Queremos ser um modelo para o que pode acontecer em toda a cidade de Chicago.

Como pode outras igrejas em áreas menos afetadas pela violência serem parceiras com a sua igreja?

Uma das coisas que sentimos falta é parceria. Precisamos de igrejas no exterior para vir e nos ajudar com recursos. Precisamos de pessoas com recursos financeiros para nos ajudar a colocar esses caras nas escolas. Também precisamos de mentores: as pessoas a vir ao lado e orientar potenciais jovens empresários em ambientes econômicos sombrios. Também precisamos de oração para nos ajudar, também.

O que acontece se o cessar-fogo for quebrado?

Se isso acontecer, e nós os advertimos que colocaríamos algumas medidas em vigor. Foi definitivamente uma negociação, e ambos os lados foram souberam ceder. Vamos continuar a cumprir e continuar a responsabilizar as pessoas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.