Por Rich Deem via Espada.eti

Screenshot (1)Pokémon (pocket monsters, ou “monstros de bolso”) está atualmente fazendo muito sucesso entre as crianças de todo o mundo. O que esses “monstros de bolso” ensinam às crianças e quais são as filosofias subjacentes nesse jogo/desenho animado “inocente”? É algo com o que as crianças cristãs devem se envolver?

Leia também: Pokémon GO é instrumento do diabo para corromper cristãos, diz pastor

Nota aos pais: Meu objetivo não é convencê-lo que Pokémon seja a atividade mais perigosa com a qual seus filhos podem se envolver. Existem muitas outras atividades que são ainda mais nocivas tanto fisica quanto espiritualmente. No entanto, a tremenda atração do jogo e a dependência que causa faz com que tenha uma influência significativa nas crianças.

Nota aos não-cristãos: Esta página não se aplica a você, pois não vive sob o senhorio de Jesus Cristo e o Espírito Santo de Deus não está ativo na sua vida. Não assuma que é um cristão somente porque vai à igreja ou porque seus pais são cristãos. Você pessoalmente precisa tomar a decisão de seguir a Jesus Cristo e ser um cristão.

Pokémon é um jogo de representação de um papel (RPG) similar a Dungeons and Dragons, MAGIC e outros, mas com inclinações ocultistas mais sutis. Foi criado pela Nintendo, no Japão, em 1995, e é grandemente influenciado pelo misticismo japonês. A maior parte dos personagens parece incorporar características do xintoísmo (a religião tradicional do Japão), budismo, hinduísmo, outras religiões orientais e filosofias da Nova Era. O jogo reflete o passado guerreiro do Japão em sua violência, pois o objetivo é conquistar outros Pokémons por meio da força física e da feitiçaria.

Além das inclinações pelas religiões orientais, os conceitos de Nova Era são abundantes nas cartas de Pokémon. [2] Cada Pokémon é de certo “tipo” e isso descreve sua “energia”. Existem diversos tipos, como Planta, Aquático, Pedra, Fogo, Gelo, Elétrico, Lutador, Venenoso, Voador, Fantasma, Psíquico, Inseto, Normal, Virtual, Humanóide e outros. Muitos dos 150 Pokémons que existem atualmente [o número deverá aumentar para mais de 300 em breve] usam violência para conquistar outros Pokémons. Essa violência inclui mordidas, cortes, chutes, chamas de fogo, abalos sísmicos, choques elétricos, venenos, poderes psíquicos, paralisia, etc. [4] Este não é o jogo/desenho “inocente” que a propaganda diz que é. Alguns Pokémons evoluem por meio do uso de “pedras” (trovão, água, lua, fogo e folha), que são itens utilizados para invocar os poderes (a origem desses poderes não é mencionada, mas certamente não é de Deus). [4] As cartas de treinamento também incluem aquelas que usam “poção” e “superpoção” para curar magicamente os lutadores Pokémons feridos.

Muitos Pokémons evoluem naturalmente e transformam-se em outros Pokémons (observe o símbolo “Estágio Evolutivo” na carta mostrada anteriormente. Examinando-se as cartas, é evidente que a macroevolução está sendo ensinada, pois as espécies que evoluem de outras espécies são similares na aparência. Em alguns casos, o termo “evolução” é usado incorretamente, pois determinados Pokémons podem se transformar em criaturas muito mais poderosas. Basicamente, o desenho animado/jogo está ensinando uma forma de reencarnação.

Aqui estão alguns exemplos de tipos de Pokémons e o que fazem:

Nome Método de Ataque
Jynx Por meio da meditação, lança um poderoso ataque de energia psíquica
Abra Usa sua capacidade de ler as mentes para identificar o perigo e transportar-se para um local seguro. Domina o poder da levitação.
Kadabra Emite ondas alfa especiais que provocam dores de cabeça naqueles que estiverem nas proximidades.
Weepinbell Cospe uma gosma venenosa que imobiliza o inimigo e depois libera um jato de ácido na forma de aerossol.
Ponyta Um cavalo de fogo. Suas patadas são poderosas e esmagam qualquer coisa.
Machoke Seus golpes de caratê infligem 50 pontos de prejuízo.

“Para ser um grande mestre Pokémon
Tem que ter coragem e ser muito bom
E a equipe Rocket desafiar.

Se a jornada é longa a gente aguenta
Pois eu sei que tem mais de cento e cinqüênta
E a grande batalha vamos conquistar.

Vem, vem, vem aqui comigo
Vem, vem, vem correr perigo
Vem, vem, vem que a hora vai chegar.

Pokemom, Pokémon, quanta emoção,
Pokémon, todo Pokémon tem magia e poder.
Pokemom, Pokémon, temos que pegar.
Quando encontrar, um grande mestre eu vou ser.”

A letra acima é a da canção cantada pela apresentadora Eliana no seu programa infantil na televisão. As crianças estão sendo encorajadas a buscar o poder do desenho e das cartas Pokémon. O site oficial de cartas Pokémon dá mais instruções:

“Carregue seu Pokémon com você e estará preparado para enfrentar qualquer coisa! O poder está nas suas mãos. Portanto, use-o.”

Muitas crianças estão seguindo à risca essas instruções e carregam suas cartas de Pokémon nos bolsos o tempo todo. Estamos vendo essas cartas aparecerem na igreja e nas classes da escola dominical. As crianças estão sendo encorajadas a recorrer ao poder sobrenatural em vez de ao poder de Deus. Elas aprendem que quanto mais cartas colecionarem, mais poder terão. Muitas crianças estão completamente obsecadas pelas cartas e gastam grande parte de seu tempo brincando com elas. Pokémon tornou-se um ídolo em suas vidas, sendo mais importantes para elas do que Deus.

O uso de cartas do Pokémon pode potencialmente abrir portas para a opressão demoníaca por meio das seguintes atividades:

  1. Posse (conhecida ou não) de discos, fitas, livros, gravuras, amuletos, instrumentos, jogos, etc.
  2. Buscar poder ou revelação ocultista.
  3. Fascinação com o poder ou revelação ocultista, ou fenômenos psíquicos em geral.
  4. Escapismo por meio da busca de emoções, ficção científica, novelas, e algumas outras atividades que causam dependência.
  5. Fascinação com a violência, especialmente a violência sem justiça.
  6. Meditação em qualquer outra coisa que não a verdade revelada por Deus.
  7. Cântico de mantras ou outras formas cultistas/ocultistas de adoração.

O ensino bíblico é claro a respeito do envolvimento em atividades ocultistas. Na Bíblia, Deus proíbe nosso envolvimento com feitiçaria, adivinhação ou consultas com médiuns espíritas. A pena de morte para o envolvimento na feitiçaria mostra a seriedade desse pecado diante de Deus.

Pokémon está ganhando um popularidade cada vez maior e seus criadores introduzirão novas formas de alcançar o grau de “Mestre”. Neste ponto, para manter o interesse no jogo/desenho animado, será necessário lançar novos personagens e modos alternativos de “receber o poder”. Minha previsão é que o jogo introduzirá mais doutrinas da Nova Era, juntamente com personagens mais violentos ou bizarros. As crianças que estão envolvidas em Pokémon continuarão a serem doutrinadas mais profundamente nas filosofias da Nova Era. Na verdade, muitos recursos sobre Pokémon podem ser encontrados em sites de Nova Era.

Outra ameaça às crianças que brincam e que assistem o desenho Pokémon e outros jogos RPG é a tendência de envolverem-se em formas mais sérias desses jogos, como Doom, Dungeon and Dragons, Magic: The Gathering, que contêm temática ocultista muito pior. Na verdade, alguns sites sobre Pokémon têm links para esses sites. Por exemplo, o endereço do site “Role Player´s Realm”, que liga Pokémon com outros jogos RPG é “http://www.screaming.demon.nl/“. A associação com o ocultismo é evidente até no nome.

Conclusões

Pokémon ensina os seguintes conceitos/filosofias que são opostos ao cristianismo:

  1. Violência como forma de obter poder.
  2. Evolução.
  3. Conceitos de Nova Era (reencarnação e poderes psíquicos).
  4. Uso de objetos ocultistas (pedras mágicas) para obter poderes contra os adversários.

A participação prolongada em Pokémon pode levar a:

  1. Envolvimento que leva à dependência psicológica de tal forma que o jogo torna-se um ídolo na vida da criança.
  2. Envolvimento em jogos RPG malévolos (e com as pessoas que estão associadas com eles).
  3. Abertura de portas para a opressão demoníaca.

Recomendações

Se seu filho já aceitou a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, recomendo que você lhe mostre os fatos sobre Pokémon e o que a Bíblia diz sobre o envolvimento com a feitiçaria. Se uma criança for encorajada a orar sobre seu envolvimento com Pokémon e a seguir a orientação do Espírito Santo, voluntariamente deixará de participar em atividades relacionadas com esse jogo/desenho animado. Várias crianças com quem conversei tomaram essa decisão, sem serem forçadas a isso por seus pais. Se seu filho ainda não aceitou a Jesus Cristo como Senhor e Salvador, eu tomaria a decisão unilateralmente e explicaria porque ele não poderá mais assistir ou brincar com o jogo. Se seu filho já estiver muito envolvido ou viciado em Pokémon, será necessário oferecer suporte adicional, encorajá-lo e fornecer outras oportunidades de entretenimento.

Se quiser ver o horror por si mesmo, vá para o Site Oficial de Pokémon no Brasil. Selecione a PokeAgenda e leia as descrições dos monstros.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.