Screenshot
Pastor pede , com faixa, que políticos não façam campanha em sua igreja. Foto:reprodução

A cada eleição aumenta o número de candidatos cuja base eleitoral é a igreja. E, neste ano, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) alertou que aumentará a fiscalização nesses projetos políticos para coibir o que é chamado de abuso de poder religioso.

Especialistas ouvidos apontam que as novas regras eleitorais vão impactar diretamente nos postulantes com origens em instituições religiosas. Tudo porque está limitada a doação financeira de campanha – com impedimento, inclusive, de receita oriunda de empresas – e empreitadas de vulto tendem a ser questionadas na Justiça Eleitoral.

Para o advogado Amilton Augusto Kufa, postulantes com base religiosa precisarão ficar atentos. “As queixas a candidatos que usufruem de prestígio dentro de uma igreja ou templo vêm crescendo. Ressalto não ser contra, porém, entendo que deva haver um limite e cautela no comportamento de cada representante e entidade quando abordar o voto eleitoral”, analisou Kufa, que redigiu artigo ‘O Controle do Poder Religioso no Processo Eleitoral, à Luz dos Princípios Constitucionais Vigentes como Garantia do Estado Democrático de Direito’.

No ano passado, o TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral) de Minas Gerais cassou o mandato do deputado estadual Márcio José Machado Oliveira (PTB-MG), conhecido como missionário Márcio Santiago, sobrinho do apóstolo Valdemiro Santiago, da Igreja Mundial do Poder de Deus. O parlamentar foi acusado de abusos de poder político, de autoridade e religioso. A denúncia partiu de seu colega de partido, o ex-jogador Marques Batista de Abreu. O missionário distribuiu material de campanha durante um culto, às vésperas da eleição em outubro de 2014, além de Valdemiro ter pedido votos ao sobrinho a pelo menos 15 mil fiéis presentes.

“Este foi um dos exemplos que indicam que a Justiça está acatando denúncias. Vejo como salutar uma igreja indicar seu representante, pastor, padre ou líder. Não acredito que isto tenha de ser proibido, porém, vejo com ressalva determinadas situações. Como um candidato ser chamado à frente de um templo e lá for dito que ele é ‘nosso candidato’. Sempre recomendo aos meus clientes: se tem identidade com a igreja, continue frequentando, porém, evite se expor”, complementou Kufa. Com informações Diário do ABC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.