“O Inquérito Civil instaurado vai apurar possíveis irregularidades no aumento da tarifa de energia elétrica repassado pela Energisa em julho deste ano”

Com o objetivo de dar andamento à discussão que envolve o Inquérito Civil instaurado pelo Ministério Público Federal, órgão de justiça e do legislativo discutiram sobre o aumento de 13,75% na tarifa de energia no Tocantins, autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). O Inquérito tem como finalidade apurar possíveis irregularidades no aumento da tarifa de energia elétrica repassado pela Energisa em julho deste ano.

CAOCOM-2137
Reunião dessa segunda-feira, 16, com representantes do MPF, MPE, Defensoria Pública Estado, Defensoria Pública da União, Ordem dos Advogados do Brasil seccional do Tocantins (OAB/TO) e Assembleia Legislativa

Além do MPE e MPF, estiveram presentes  na reunião, que aconteceu na tarde dessa segunda-feira, 15, na sede do MPF, representantes da Defensoria Pública Estado, Defensoria Pública da União, Ordem dos Advogados do Brasil seccional do Tocantins (OAB/TO) e Assembleia Legislativa.

Para subsidiar os trabalhos, a coordenadora do Caocon, Araína D’Alessandro apresentou ações civis públicas ajuizadas pelas Promotorias de Justiça do Tocantins com a finalidade de regularizar os serviços de fornecimento de energia elétrica em diversas cidades do Tocantins, bem como sentenças condenatórias que atestam vícios de qualidade no fornecimento do serviço.

VEJA TAMBÉM
Em Palmas, contratos de painéis de trânsito podem ser cancelados a pedido dos Ministérios Públicos Estadual e de Contas

O Procurador da República do MPF, Fernando Antônio Alencar Alves Oliveira Júnior, destacou a reunião com o presidente do Conselho de Consumidores do Tocantins, Rudnei Fonseca, a fim de obter dados para subsidiar o procedimento.

Na ocasião, a Defensoria Pública Estadual comprometeu-se em realizar um levantamento sobre reclamações no Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor contra a concessionária de energia elétrica.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.