Para o ex-presidente do Taquari, Amastha é um aproveitador e oportunista: “apenas vendeu sonhos e ilusões”
Para o ex-presidente do Taquari, Amastha é um aproveitador e oportunista: “apenas vendeu sonhos e ilusões”

José Henrique Alves do Nascimento, conhecido como Henrique do Taquari, não poupou farpas ao candidato a reeleição Carlo Amastha (PSB), que em sua gestão tem dito ter colocado o Taquari como prioridade. Henrique que no pleito anterior esteve no palanque do prefeito, hoje faz campanha contrária e diz que Amatha é a maior decepção dos moradores do Taquari.

Áudio parcial da entrevista

Popularmente conhecido como Henrique do Taquari, o ex-presidente das Associação de Moradores do setor, nos anos de 2014 e 2015, criticou nesta sexta-feira, 19, em entrevista ao JM Notícia, que nos últimos quatro anos o prefeito não fez nada pelo povo do Taquari, apenas vendeu sonhos e ilusões e alugou uma casa no setor, que segundo ele a casa não poderia ser alugada, por ser uma casa popular.

“Ele é um grande vendedor de sonhos e de ilusão, pois tudo o que ele fez para o setor Taquari foi perseguir de frente todos os moradores e comerciantes daqui”, argumentou o ex-presidente fazendo referência ao aumento do IPTU, que segundo ele teria inviabilizado muitos moradores a ficar em dias com a contribuição municipal, e a perseguição aconteceu devido ao não pagamento da taxa.

Henrique do Taquari diz ser morador do setor há mais de 10 anos e que apoiou Amastha (PSB) em 2012 por acreditar em suas promessas. “Conheço muito bem a realidade e as necessidade do nosso setor, por isso o apoiei em sua candidatura nas eleições de 2012, estive no palanque dele como candidato a vereador, por acreditar que ele fosse a mudança. Porém ele foi o maior empecilho e vergonha na política deste município, ele foi a maior decepção dos eleitores e dos moradores do Taquari”, desabafou Henrique.

jardimtaquari
Avenida principal do setor Taquari em Palmas – Foto: Divulgação

Questionado sobre a regularização do setor, que nesta semana foi amplamente divulgada pelo candidato a reeleição como sendo conquista de seu governo, o ex-presidente diz que mais uma vez o prefeito tenta enganar os moradores do Taquari . “O Taquari é de competência do Governo do Estado, e quem pode hoje comemorar essa conquista somos nós, moradores, pois fomos nós que lutamos junto com o governo estadual. Carlos Amastha não passa de um ilusionista”, desabafou.”

Segundo Henrique, o único asfalto que existe no bairro é obra do ex-governador Carlos Gaguim. Ele lembrou que o asfalto foi promessa do então candidato a prefeito Carlos Amastha.

“Inclusive foi feito grandes promessas para o Taquari, quando o mesmo dizia que se eleito fosse, iria parar às dividas do Taquari, iria fazer o asfalto, colégio de Tempo Integral”, disse Henrique.

Entenda:

Após 14 anos de litígio, o Tribunal de Justiça do Estado do Tocantins homologou na última quarta-feira, 14, o acordo judicial que resultará na regularização do Setor Jardim Taquari e põe fim ao impasse. Com essa decisão, o Cartório de Registro de Imóveis irá restabelecer os títulos suspensos desde que o Supremo Tribunal Federal devolveu a propriedade ao primeiro dono José Wanderley, o qual agora será indenizado.

Segundo o procurador Geral do Tocantins, Sergio do Valle, sanar esse processo foi uma determinação do governador Marcelo Miranda.“Entendemos por bem, em conjunto com a prefeitura de Palmas, celebrar um acordo pondo fim a questão, principalmente visando o caráter social da demanda que envolve 3.575 famílias, cerca de 16 mil pessoas, moradoras do Taquari”,explicou.

A próxima etapa a ser realizada para a regularização fundiária compreende o recadastramento imobiliário do Setor e já está prevista para ser realizada na próxima semana. De acordo com o presidente da Companhia Imobiliária do Estado do Tocantins (TerraPalmas), Aleandro Lacerda, “Proceder com essa regularização fundiária é algo eminentemente do Estado do Tocantins, isso porque a origem do bairro foi dada pelo Estado ainda em 2001”, afirmou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.