greve 2O protesto organizado por sete sindicatos dos servidores públicos estadual do poder executivo se mobilizam e bloqueiam as entradas da Capital na tentativa de chamar a atenção do Governo para o pagamento da data-base. Àqueles que queriam sair ou entrar na cidade foram impedidos nesta manhã. O protesto iniciou às 6h e tinha previsão de término às 8h.

Os protestos interditaram a ponte Fernando Henrique Cardoso, saída para Paraíso do Tocantins; a ponte da Teotônio Segurado, perto do Estádio Nilton Santos; a ponte da TO-050, próximo a estação de tratamento de água da Saneatins e a TO-010, saída para Miracema do Tocantins.

greve 4
Bloqueio impede passagem de ônibus e carros

O Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO) informou que vieram servidores grevistas do Quadro Geral, Saúde e Educação de todo o estado para a mobilização em Palmas.

Devido ao grande congestionamento que se formou com os bloqueios, a interdição nas entradas passou das 8h da manhã e muitos trabalhadores ainda não conseguiram chegar aos seus locais de trabalho.greve

Além de interditar o trânsito, impedindo carros e ônibus de trafegarem, os manifestantes queimaram pneus na tentativa de chamar a atenção da população e do governo para os seus direitos que estão sendo descumpridos.

VEJA TAMBÉM
Sindicatos contestam governo e dizem que o Tocantins não passa por dificuldade financeira, “apenas está mal administrado”

A manifestação segue agora pela manhã para o palácio Araguaia e a Assembleia Legislativa, localizados na Praça dos Girassóis.

Entenda

A greve dos servidores do quadro-geral e da educação iniciou no dia nove de agosto e até o momento o Governo não conseguiu entrar em acordo com a categoria. Os servidores cobram do Governo Estadual o pagamento dos retroativos da data-base 2015, que deveriam ter sido pagos, mensalmente, desde janeiro deste ano, conforme acordo com a administração pública, e da data-base de 2016, que corresponde ao índice de 9,8307% (INPC acumulado nos últimos 12 meses).

Também entraram na paralisação, os enfermeiros e os médicos da rede estadual. Os profissionais reivindicam melhores condições de trabalho e o pagamento dos valores garantidos por lei, o retroativo da data-base.

Antes de deflagrar a greve, os servidores, representados por seus sindicatos, recorreram ao diálogo na tentativa de que o Governo Estadual cumprisse as garantias legais e atendesse as reivindicação da categoria

Mobilização em Palmas

Sete sindicatos estão na organização da mobilização desta quarta-feira, 31: Sindicato dos Servidores Públicos no Estado do Tocantins (SISEPE-TO); Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (SINTRAS-TO); Sindicato dos Trabalhadores em Educação (SINTET-TO); Sindicato dos Cirurgiões Dentistas (SICIDETO); Sindicato dos Médicos (SIMED-TO); Sindicato dos Profissionais de Enfermagem (SEET-TO); Sindicato dos Auditores Fiscais (SINDARE-TO). Os Sindicatos compõem o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado do Tocantins (MUSME-TO).

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.