Foto_Divulgacao_Reuniao_PSC
Pastor Everaldo(PSC) durante viagem ao Maranhão em apoio ao governador Flávio Dino (PCdoB). Foto: Reprodução

Em época de eleições é comum o sentimento de “vale tudo”, mas não deixa de chamar atenção o quanto o Partido Social Cristão (PSC) se afasta das bandeiras que o tornaram conhecido.

Enquanto Jair Bolsonaro (PSC/RJ) e Marco Feliciano (PSC/SP) brigam em Brasília contra grupos comunistas e a favor da família, seu partido faz coligação com comunistas em alguns estados e lança candidatos que são quase a antítese de seus expoentes.

É o caso de Edivânia Matias Goes. Embora esse seja seu nome de batismo, a candidata a vereança de Fortaleza prefere usar na urna Debora Soft, alcunha usado desde os tempos que trabalhava como stripper na capital do Ceará. Seu lema de campanha é “Vote com Prazer”, o mesmo de 2004, quando foi eleita com 11.590 votos, a oitava mais votada daquele pleito.

Após o fracasso da última eleição municipal, quando conseguiu apenas 365 votos, Debora tentou uma vaga como deputada estadual, mas obteve míseros 41 votos. Mais de uma década depois de sua primeira campanha, ela reedita o slogan “vote com prazer”. De várias maneiras, a candidata do PSC (Partido Social Cristão) contraria a imagem que a sigla defende em nível nacional.

Embora não fale muito sobre suas propostas, aposta como estratégia de campanha o humor e no apelo ao voto “sem preconceito”. Embora hoje ocupe um cargo de confiança na administração pública, ainda utiliza a fama adquirida em seu trabalho nas noites de Fortaleza. Quando lembra do tempo que exercia mandato, afirma que só lamenta não ter podido fazer um striptease na Câmara e disse ter sofrido preconceito.

Preconceito é algo que o deputado federal pastor Takayma não tem. Presidente do PSC do Paraná, ele costurou uma aliança com o Partido Comunista do Brasil para lançarem juntos Ney Leprevost (PSD)a prefeito de Curitiba. O nome da coligação, onde o vice é do PSC, é sugestiva: “Corrente do Bem”.

É bom lembrar que no site do PCdoB há várias manifestações em favor da ideologia de gênero e contra o que classifica de “ameaças à democracia” e aponta os responsáveis: “grupos religiosos na política”.

Ou seja, antítese do que poderia se esperar de uma união com o partido que ficou conhecido por sua luta contra essa ideologia. Além dos discursos contra a ideologia de gênero, é de Eduardo Bolsonaro (PSC/SP) o projeto de lei 5358, que criminaliza a apologia ao comunismo. Se aprovado, forçaria o fim do PCdoB.

Partido contraria seu líder na Câmara

A improvável aliança política de PSC e PCdoB ocorre em várias outras cidades pelo Brasil. Mas nenhuma é mais emblemática que em São Luiz. No estado governado por Flavio Dino (PCdoB), Edivaldo Holanda (PDT) é o candidato da majoritária e o comunista Julio Pinheiro é seu vice.

A coligação reúne 12 partidos, incluindo o PRB (ligado à Universal) e o PT, outra sigla que tem histórico de desavenças com líderes cristãos.

Se no Maranhão andam agora de mãos dadas, até maio PSC e PCdoB travavam uma luta monumental nos corredores da Câmara dos Deputados, em Brasília. O líder dos cristãos na casa, Marco Feliciano, havia conseguido as assinaturas necessárias para a instauração da CPI da União Nacional dos Estudantes (UNE), que investigaria denúncias de mal-uso do dinheiro público repassado para aquela instituição.

Ocorre que há mais de duas décadas a UNE está nas mãos do PCdoB. Sem interesse de prestar contas publicamente, o partido comunista usou da influência que Flavio Dino tem sobre o deputado Waldir Maranhão (PP/MA), que atuava como presidente da Câmara após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB/RJ).

Conseguiu fazer com que Maranhão adiasse por três vezes a instalação da comissão até, finalmente,arquivá-la em julho. Na mesma época, Dino e Maranhão viajaram juntos para Brasília num avião da Força Aérea Brasileira, onde articularam como seria feita a tentativa de anulação do impeachment de Dilma Rousseff.

As lideranças do PCdoB sempre disseram que Bolsonaro e Feliciano representam o atraso para o país. Flávio Dino classificou Jair Bolsonaro e Marco Feliciano como aberrações da política brasileira, mas tudo isso agora foi esquecido.

Com informações Gospel Prime

COMPARTILHAR

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Pedrão de Cunha

    NOSSA DEMOCRACIA É UMA FARSA! É POR ISSO QUE O PAÍS NUNCA DECOLA! TODOS PARTIDOS DO BRASIL SÃO AGENTES DO COMUNISMO INTERNACIONAL E DA ONU, SOMOS SABOTADOS DOLOSA E SISTEMATICAMENTE! O BRASIL SÓ SERÁ RESTITUÍDO AOS BRASILEIROS ATRAVÉS DA INTERVENÇÃO MILITAR CONSTITUCIONAL!