Da Redação JM Notícia

Screenshot
Ele diz que chegou a hora de mudar o que está errado em Curitiba dentro do legislativo Foto: Reprodução/Facebook

Bem cotada para as eleições deste ano e com muita chance vir a ocupar uma cadeira na Câmara Municipal de Curitiba, a psicóloga cristã Marisa Lobo vive essa expectativa, pois tem um nome forte junto ao segmento cristão e vê somado a isto o apoio e o carisma de boa parte da população conservadora curitibana que ve em seu discurso uma representatividade firme e respeitada.

Marisa Lobo disputou as eleições em 2014 como candidata a deputada federal pelo PSC, mas trocou a legenda pelo Solidariedade para tentar uma vaga no Legislativo Municipal em 2016.

download
Marisa Lobo tem grandes chances de ser uma das novas integrantes da Câmara Municipal de Curitiba. Foto: Reprodução

Com uma candidatura mais consistente e embalada pela luta pela família e contra a corrupção, Marisa Lobo tem recebido declarações de apoio de muitos líderes nacionais para sua candidatura. Um destes foi o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PSC) que publicou um twitte convocando os curitibanos a apoiarem Marisa.

Atenção Curitibanos Indico @marisa_lobo para vereadora. Precisamos de pessoas comprometidas para nos representar.”, escreveu Feliciano.

A publicação, feita no último sábado, 03, mostra que Marisa Lobo goza de grande prestígio e com certeza será mais uma voz profética dentro da política brasileira para defender os valores e princípios divinos e denunciar e combater os erros dentro deste meio que muito tem feito sofrer o povo brasileiro.

VEJA TAMBÉM
Feliciano chama OAB do Tocantins de leviana e  Movimento Conservador repudia nota da OAB

Em um vídeo também gravado também especialmente para pedir apoio a amiga, o pastor diz que chegou a hora de mudar o que está errado em Curitiba dentro do legislativo e para isso recomenda o nome da doutora Marisa Lobo, pois ela representa “nossos pensamentos”, disse o deputado.

Assista:

COMPARTILHAR

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.