Justiça Eleitoral determina a suspensão de três pesquisas eleitorais em Palmas
Justiça Eleitoral determina a suspensão de três pesquisas eleitorais em Palmas

O juiz eleitoral de Palmas, Luiz Astolfo de Deus Amorim, determinou liminarmente nesta terça-feira, 13, a suspensão de pesquisas eleitorais realizadas pelos institutos M.A.R. da Rocha Marketing-ME, do jornal Folha Capital; Promotion Editora Eventos Promoções e Representações Ltda – ME, do Jornal Stylo, e GK de Oliveira Coronato Produções-ME do Grupo Coronato Produções.

No caso da pesquisa publicada pelo Jornal Folha Capital, o motivo da determinação judicial é que no questionário constou o nome do empresário Fabiano Parafusos (PRB), que não está na disputa pela prefeitura da capital. No entendimento da Justiça Eleitoral isso comprometeu os resultados obtidos na pesquisa.

Já a pesquisa divulgada pelo Jornal Stylo, alegam os representantes da Coligação Coragem Pra Fazer diferente, há incongruência em pergunta do questionário aplicado, a qual enuncia ser espontânea, mas apresenta ao entrevistado possibilidades de respostas, gerando inadequação da assertiva.

A terceira impugnação impetrada pelos advogados de Raul Filho e acatada pela Justiça Eleitoral, aponta que há inconsistências insanáveis no questionário de entrevistas, pelo GK de Oliveira Coronato Produções – ME do Grupo Coronato Produções.

VEJA TAMBÉM
TRE-TO emite certidão e atesta inelegibilidade de Raul Filho

De acordo com os advogados da parte representante, uma das perguntas da pesquisa feita pelo Coronato, haveria erro por terem sido listados os nomes dos candidatos a prefeito, contudo o enunciado e a referida lista de nomes não se relacionam. E ainda, no campo faixa etária do entrevistado não constou as pessoas com idade entre 55 a 59 anos. No plano de amostra não há a indicação, em percentuais, da quantidade de pessoas a serem entrevistadas nos setores da capital, o que influi drasticamente nos resultados, já que certos candidatos possuem mais votos em determinadas regiões que em outras.

Além disso, asseverou a coligação que os resultados da pesquisa em questão destoam das demais pesquisas divulgadas até então. Os advogados da coligação Coragem Pra Fazer Diferente, para comprovar o alegado, juntaram espelho de visualização do registro da pesquisa extraído do site do TSE, o questionário utilizado e a nota fiscal da prestação de serviços.

A decisão foi proferida nesta terça-feira, 13.

Confira na íntegra a decisão do magistrado:

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.