DSC_0656

A greve dos bancários segue por tempo indeterminado, uma vez que a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) continua insensível às justas reivindicações dos bancários e não apresentou nenhuma evolução durante a rodada de negociações na tarde desta quinta-feira, 15, em São Paulo(SP). Nesta sexta-feira, 16, a greve completa 11 dias e no Tocantins 142 agências continuam fechadas.

Apesar do esforço da comissão de negociação, não houve avanços. Durante toda a reunião os banqueiros insistiram na defesa do modelo de oferta de índice bem inferior à inflação oficial dos últimos doze meses mais abono, fórmula já reprovada pela categoria e que empurrou os bancários para a greve.

A Fenaban permaneceu com a contraproposta de 7% de reajuste salarial e abono de R$ 3,3 mil, apresentada no dia 09/09. As negociações foram suspensas e não há previsão para retorno. “Infelizmente os bancos estão inflexíveis. Demonstram total falta de interesse pelos trabalhadores. Lamentamos muito, mas a orientação é a continuidade da greve. Vamos intensificar o movimento e esperamos com isso que os banqueiros se sensibilizem”, destacou o presidente do Sindicato dos Bancários do Tocantins, Crispim Batista Filho.

VEJA TAMBÉM
Taquaruçu Capital por um Dia terá prévia do Festival Gastronômico

Os bancários entraram em greve no ultimo dia 6, e reivindicam reajuste salarial de 14,78%, melhores condições de trabalho, mais saúde e segurança. Das 158 agências, 142 permanecem fechadas no Tocantins.

O sindicato orienta que no período da greve, para reduzir os prejuízos à população, os consumidores devem utilizar os serviços bancários por meio dos caixas eletrônicos, internet banking, mobile banking (banco no celular), telefone e correspondentes bancários, casas lotéricas, agências dos Correios, redes de supermercados e outros estabelecimentos credenciados.

A classe reivindica mais empregados para por fim às filas, mais saúde, mais segurança, piso salarial do Dieese, melhor Participação nos Lucros ou Resultados (PLR), Plano de Cargos e Salários em todas as instituições financeiras, auxílio-refeição, cesta-alimentação e auxílio-creche/babá e 13ª cesta-alimentação, isonomia entre os empregados novos e antigos (bancos oficiais), fim do assédio moral e das metas abusivas dentre outras. (com informações da Assessoria de Comunicação do SINTEC/TO)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.