Da Redação JM

blog_donna
Donna Larson | Reprodução/GoFundMe

Um pastora americana chamada Donna Larson resolveu fazer lançar uma teoria sobre as profecias bíblicas. Ela diz não ter dúvida que a Bíblia aponta que o fim do mundo vai ocorrer no próximo ano.

Embora a própria Bíblia seja bem clara em não deixar margem para que supostos profetas a usem para datar o fim de tudo, alguns ainda insistem em cometer o mesmo erro praticado por outros tantos que falharam e continuam a querer adivinhar o futuro.

Segundo o blog de O Globo, a teoria apocalítica da suposta pastora é simples: de acordo com o a Bíblia, o homem iria governar a Terra por 6 mil anos. Adão, o primeiro homem, foi criado em 3983 antes de Cristo. Ou seja, em 2017, completam-se 6 milênios.

O fim do mundo também coincidiria com os 70 anos da fundação de Israel e os 50 anos da unificação de Jerusalém.

“Todos esse números têm um significado bíblico: 50 é o número da unificação entre a Páscoa Judaica e o Pentecostes e 70 é o número da execução, segundo o livro de Daniel, capítulo 9”, disse a religiosa, em reportagem do “Sun”.

A data exata ainda é um “mistério”. Uns acreditam que o fim do mundo ocorra em 21 de agosto, quando ocorrerá um eclipse solar. Outros creem em 23 de setembro, com alinhamento de planetas e estrelas que estaria previsto na Biblia.

Sobre isso, a Bíblia diz para não ficarmos ansiosos, mas esperarmos com paciência a vinda de Jesus Cristo.

Muito freqüentemente, as pessoas misturam os eventos da destruição de Jerusalém com os eventos que tratam do fim do mundo. Isto induz as pessoas a acreditarem que podem predizer o fim do mundo, ainda que Jesus afirme claramente que não haverá advertência. Não saberemos adiantadamente os anos, os meses, as semanas, nem mesmo os dias da volta de Jesus. Não teremos oportunidade de fazer preparações de último minuto. Precisamos estar preparados para o Mestre voltar a qualquer momento. Você está pronto?

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.