Screenshot (1)Durante sua passagem pela cidade de São José de Piranhas há cerca de uma semana, quando sua banda animou a 13ª edição da Marcha Para Jesus, o bispo Edson Pinheiro, do Ministério Fogo no Pé, do Rio de Janeiro, criticou alguns colegas do meio da música gospel que, segundo ele, se deslumbram com o sucesso, perdem a humildade, a postura de ‘servos de Cristo’ e deixam em segundo plano a vida de pregação e de ajuda ao próximo.

Para Edson Pinheiro, alguns cantores evangélicos estão deixando de ser levitas (termo bíblico que se refere às pessoas responsáveis pelos louvores/cânticos nas igrejas) para serem apenas artistas da música. O levita, explica o bispo, usa o louvor para pregar o Evangelho e não apenas para ganhar fama e dinheiro.

“Jesus não chamou o levita para ser artista. Nós temos uma vida como se fosse, mas a nossa postura não é para ser. Eu não sou contra o camarada ser bem remunerado porque a música dele ganhou a expansão do Brasil e o nome dele ficou em destaque. Isso é inevitável. A questão é o que ele vai fazer com a atenção das pessoas voltada para ele”, disse o líder do Ministério Fogo no Pé.

Bispo Edson Pinheiro não criticou apenas os cantores gospel. Na sua avaliação, os pastores também estão deturpando a mensagem do Evangelho, causando mais segregação do que união.

“A mensagem do Evangelho tem sido deturpada. E eu falo isso de cara limpa porque eu sou um dos remanescentes que prega o Evangelho sem máscara. O Evangelho de Jesus aproxima, não afasta as pessoas, não massacra com doutrinas, ele aproxima com amor. O Evangelho não tem a missão de elitizar as pessoas, tem a missão de que o líder chame as pessoas para Deus, não para ele.”

Com informações Diário do Sertão

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.