Por Pr Alexandre Fernandes Barbosa

Screenshot (1)
Ribeirinho em meio a selva amazônica. Região é carente da pregação do Evangelho. Foto: Reprodução

Testemunho Missionário – Quando você pensa na Amazônia, o que vem a sua mente?

A Amazônia brasileira é uma das maiores riquezas da humanidade, dada a sua importância para o equilíbrio de todo o ecossistema do nosso planeta. Por anos, ela foi vista apenas como um lugar de habitação de animais selvagens e povos indígenas. No entanto, tal visão vem sendo mudada, principalmente no mundo cristão, ao se constatar que nela se encontram grupos étnicos não alcançados pelo evangelho e uma grande concentração populacional nos centros urbanos e nas comunidades ribeirinhas. A Junta de Missões Nacionais, através do Projeto Amazônia, vem realizando um belo trabalho alcançando essa diversidade cultural com o evangelho de Cristo Jesus.

Os desafios amazônicos são imensos: povos indígenas sem contato com a civilização; comunidades ribeirinhas que para serem alcançadas exigem 28 dias de navegação; períodos de seca dos rios, inviabilizando a navegação; períodos de severas cheias dos rios, ocasionando a migração de comunidades inteiras para novas regiões etc.

Em minha primeira viagem para as comunidades ribeirinhas, fui impactado com duas experiências preciosas. Uma foi com os “radicais” Manoel e Ronivaldo, que estavam na comunidade de Japiim – AM no médio Solimões. Aquelas vidas estavam ali isoladas, morando em um lugar sem energia, sem telefonia, sem internet. Mas com muito amor a Deus e compaixão pelas vidas perdidas que ali estavam.  Após dois anos de trabalho, deixaram uma igreja plantada e influenciaram vários jovens nativos, que hoje fazem parte do Projeto Amazônia, como líderes autóctones. O sorriso no rosto deles quanto chegamos com o barco para visitá-los, foi o mesmo que vimos quando partimos, pois possuíam uma clara convicção de seu chamado e absoluta certeza de que Deus estava com eles, agindo em favor da salvação daquele povo. Na mesma ocasião, visitei outra comunidade onde não havia a presença evangélica e pude testemunhar da falta de esperança daquele povo. Ao proclamar o amor de Cristo pelas pessoas, fui impactado ao ouvir a seguinte frase: “Nunca haviam falado de Jesus para mim. Obrigado por ler a Bíblia e me explicar seus ensinamentos”. Essa frase mexeu comigo mais uma vez e me arremeteu às palavras de Paulo quando diz: “ Decidimos dar-lhes não somente o evangelho de Deus, mas também a nossa própria vida” 1Ts. 2.8. Naquele momento, compreendi o sentimento dos Radicais Manoel e Ronivaldo.

VEJA TAMBÉM
Pentecostes 2016: 2,8 bilhões não conhecem a Jesus

As oportunidades missionárias na Amazônia são diversas. O projeto hoje se desenvolve em quatro estratégias que atuam sinergicamente em prol de um mesmo objetivo, que é multiplicar discípulos.

O Radical Amazônia recruta, prepara e envia jovens, com idade acima de 18 anos, para morarem dentro dessas comunidades por 2 ou 4 anos, vivendo o dia a dia do povo, cultivando um relacionamento discipulador intencional com pessoas a fim de torná-las discípulos de Cristo.

Esses mesmos radicais são inseridos em um Programa de Formação Missionária (PFM), que visa fornecer conhecimento teológico e missiológico, proporcionando uma formação prática (no campo) e teórica simultaneamente.

O barco missionário desenvolve ações de compaixão e graça nas comunidades onde há radicais, encurtando as distâncias entre o campo missionário e as igrejas, promovendo uma experiência missionária transcultural.

A quarta estratégia é o Novo Sorriso da Amazônia, onde os Radicais são treinados para atuarem como agentes de saúde bucal nas comunidades, desenvolvendo um acompanhamento de cada criança e seus familiares, com o objetivo de erradicar a cárie nos pequeninos e facilitar o tratamento odontológico de seus familiares pelos dentistas voluntários, que visitam as comunidades nas viagens do barco.

VEJA TAMBÉM
Ana Paula Valadão doou toda a fortuna para projetos missionários

Estamos presentes em 20 comunidades ribeirinhas, formando 95 líderes, oferecendo  acompanhamento odontológico para 400 crianças e plantando 23 novas igrejas.

Porém, podemos e queremos fazer mais. Para isso contamos com as orações de cada irmão, o envio de mais vocacionados e o sustento para viabilizar o avanço do evangelho entre os povos da Amazônia.

Pr Alexandre Fernandes Barbosa |Coordenador do Projeto Amazônia – Regional Norte 2

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.