Líderes evangélicos planejam usar as eleições deste ano para consolidar força política
Bispo Robson Rodovalho – Foto: Divulgação
Líderes evangélicos pediram que o governo Temer faça a interlocução com bancos públicos e privados para que as igrejas consigam linhas de financiamento para a construção de templos. “Queremos ser tratadas como clientes comuns, sem preconceitos nem privilégios”, diz o bispo Robson Rodovalho, presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil e fundador da Sara Nossa Terra. Hoje, diz, quando tentam pegar empréstimos, as instituições não aceitam.
A demanda de Rodovalho é que o governo ajude na articulação com os conselhos de administração dos bancos. “Ainda não se tem confiança na igreja como cliente. Apresentamos nosso patrimônio como garantia e não aceitam.”
Não é a primeira vez que evangélicos tentam negociar com o governo federal linhas de créditos para construção de templos, nas gestões de Lula e Dilma os evangélicos tentaram sem sucesso, os conselhos administrativo rejeitaram a proposta dos líderes evangélicos mesmo com ajuda dos governos petistas. Na avaliação dos banco as igrejas não tem finalidade lucrativa porém não teria possibilidade de garantir o pagamento dos financiamentos a mesma decisão ocorreu com os banco privados.
O bispo da Sara Nossa Terra, que tem cerca de 3 milhões de fiéis, discutiu o pleito com o presidente Michel Temer e com o ministro Henrique Meirelles (Fazenda), em julho, ainda durante o governo interino.
COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.