sindicartos
MUSME-TO diz que não vai ceder ao trancamento da negociação diz que não vai ceder ao trancamento da negociação

Em reunião ocorrida na noite da última segunda-feira, 24 de outubro, os Sindicatos que integram o Movimento de União dos Servidores Públicos Civis e Militares do Estado do Tocantins (MUSME-TO) rechaçaram a atitude do Governador Marcelo Miranda e sua equipe em encerrar as tratativas de negociação com os grevistas. Na última segunda-feira, o Governo do Tocantins entregou às entidades sindicais um ofício no qual afirma não ter condições legais e financeiras para atender as reivindicações dos servidores públicos e considerou esgotadas as tratativas relacionadas ao implemento da data-base.

Os sindicalistas tinham reunião de negociação agendada com o Governo para às 16 horas do dia 24. No entanto, a reunião não aconteceu e após os presidentes permanecerem quase três horas esperando uma resposta, o secretário da Comunicação Social, Rogério Silva, apareceu com um ofício em mãos e entregou aos Sindicatos. No documento, além de sinalizar o trancamento da negociação, o Governo trouxe novamente a proposta de parcelar o índice da data-base 2016 em três vezes: 1) Pagamento de 2%, em janeiro de 2017; 2) Pagamento de 2%, em maio de 2017; 3) Pagamento de 5,83%, em outubro de 2017; 3) Pagamento do passivo da data-base de 2015 no exercício de 2017; 4) Redução da jornada de trabalho para 06 horas diárias corridas (30 horas semanais).

VEJA TAMBÉM
PL propõe exigência de exames ginecológicos entre condições previstas para a concessão do Bolsa Família

Além de rechaçar o trancamento da negociação, o MUSME-TO definiu que a greve continuará por tempo indeterminado e somente as deliberações dos servidores poderão encerrá-la.

Outra decisão do MUSME-TO é questionar os pontos que não foram contemplados na proposta. “O Governo terá que nos detalhar melhor essa proposta e trazer alguma novidade sobre o retroativo do ano de 2016, pois não dá simplesmente para esquecer esses valores. O servidor não vai aceitar mais um calote”, argumentaram os presidentes.

Também não foi contemplada na proposta a diferença mensal do parcelamento do índice de 9,8307% até que se implemente a última parcela, ou seja: a diferença dos valores da parcela gerada entre janeiro e outubro de 2017. “Não aceitamos trancar a negociação e não vamos ceder! Vamos procurar novamente o Comitê Gestor para buscar os esclarecimentos pertinentes sobre a proposta e vamos lutar pelo direito do servidor”, concluíram os presidentes.

CORTES

Nesta terça-feira, 25, o Governador Marcelo Miranda reuniu o secretariado no Palácio Araguaia para anunciar novos ajustes de contas na máquina governamental. Segundo Miranda, a ordem é cortar excessos, gastos e atrair investimentos futuros.

 “Nós temos todas as condições de fazer o melhor, mesmo diante das dificuldades. A minha determinação é para que busquemos as alternativas e medidas necessárias para proteger o Estado, atrair investimentos futuros, cortar excessos e garantir, à população, serviços de qualidade”, disse o governador.

 REUNIÃO NA AL

VEJA TAMBÉM
Barbiero alerta que indígenas Karajá estão cometendo suicídio por falta de perspectiva

Na manhã desta terça-feira, 25, o MUSME-TO esteve na Assembleia Legislativa e conseguiu se reunir com os deputados estaduais. Na ocasião, os Sindicatos solicitaram a intervenção dos deputados Osires Damaso e Valderez Castelo Branco, no sentido de facilitar o diálogo com o Governo e reabrir a negociação da data-base com os grevistas.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.