gruta-santa-mariAEquipes do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil Estadual, da Policia Militar, Polícia Civil, e Polícia Militar Ambiental, trabalharam nesta terça-feira, 1º de novembro, no atendimento das vítimas do desabamento de parte da gruta conhecida como Casa de Pedra, em Santa Maria do Tocantins. O acidente atingiu romeiros que finalizavam uma celebração religiosa em homenagem a todos os santos da Igreja Católica.

A tragédia causou a morte de 10 pessoas e aconteceu em uma área rural no município, distante 278 quilômetros de Palmas. As vítimas são dos municípios de Pedro Afonso, Itacajá e Santa Maria, região centro-norte do Tocantins. O Governador Marcelo Miranda decretou luto oficial de três dias em homenagem às vítimas.

De acordo com moradores da região, apesar da pouca divulgação, a celebração na gruta Casa de Pedra acontece há décadas e atrai cerca de 600 pessoas todos os anos.

O acidente teria acontecido por volta das 10 horas da manhã, após a celebração da missa, quando algumas pessoas ainda estavam na parte interna da gruta, fazendo orações e pagando promessas. A área é considerada sagrada pelos moradores locais, pois ali teria sido encontrada uma estátua religiosa no século passado, fato que atraiu sucessivas peregrinações de fiéis nos anos seguintes.

VEJA TAMBÉM
Polícia Civil ouve sobreviventes do desabamento em gruta no Tocantins
Equipes de resgate do Corpo de Bombeiros, da Defesa Civil, da Polícia Militar e do Ciopaer, entre outras estão no local do acidente atuando no socorro às vítimas

A gruta Casa de Pedra, que é formada por arenito e sedimentos de rocha, teria sofrido um microssismo após movimentação sonora provocada por foguetes festivos, lançados nos minutos finais da festividade. Segundo o espeleólogo e professor doutor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Fernando Morais, o barulho produzido pelos foguetes, provavelmente, teria rompido o estado de equilíbrio das rochas no local. “Por ser uma superfície de arenito, ela está propícia ao desequilíbrio e isso acontece à medida em que se intensificam as visitas a locais como aquele. A orientação é que as pessoas não visitem cavernas e grutas sem o devido acompanhamento técnico”, afirmou.

 Resgate

Participaram da ação, moradores da região, romeiros que estiveram no local horas antes da tragédia, além de militares do Corpo de Bombeiros de Colinas e das polícias Militar, Militar Ambiental e Civil de Pedro Afonso. Segundo um morador de Santa Maria, o eletricista Holcinei da Silva Araújo, apesar de não estar no local na hora do acidente, ele chegou minutos depois e ajudou a resgatar os mortos, além de auxiliar no transporte dos cinco feridos. Holcinei informou que a maioria dos corpos estavam com múltiplas fraturas em várias partes do corpo e apenas uma delas apresentava sinais de asfixia. “As pessoas disseram que o teto da gruta caiu depois que soltaram um foguete. Quando cheguei, os mortos estavam com mais de um metro de areia em cima deles”, afirmou, acrescentando que o organizador do evento também teria morrido no desabamento.

VEJA TAMBÉM
Polícia Civil ouve sobreviventes do desabamento em gruta no Tocantins

Segundo a prefeita municipal de Santa Maria, Helen Ruth Freitas Souza, tão logo ficou sabendo da tragédia, determinou a mobilização e o custeio dos funerais das vítimas que residiam na cidade. “É um momento muito triste para Santa Maria. Estamos todos de luto”, ressaltou.

 Orientações

De acordo com o major bombeiro Cássio de Souza Pedro, da Defesa Civil Estadual, que realizou uma vistoria no local após o acidente, a gruta oferecia perigos aos frequentadores por ser composta de arenito, material frágil que se decompõe facilmente. “A gruta está localizada em uma propriedade particular. A Defesa Civil orienta a população a evitar aglomerações em ambientes que não ofereçam segurança e que não estejam regulamentados para a visitação”, advertiu.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.