Os servidores públicos do quatro geral decidiram encerrar a greve, que já dura 87 dias, em oito cidades do Tocantins. Os funcionários devem voltar ao trabalho a partir da próxima segunda-feira (7) em Gurupi, Tocantinópolis, Augustinópolis, Araguatins, Dianópolis, Guaraí, Pedro Afonso e Taguatinga. Assembleias gerais foram realizadas nesta quinta-feira (3).

Em Palmas e Araguaína, a maioria dos servidores decidiu pela continuidade da greve. O movimento começou no dia 9 de agosto para cobrar o pagamento dos retroativos da data-base de 2015 e a implantação do índice de 9,8307% referente a data-base 2016, além de retroativos.

Saúde
Os servidores da saúde também realizaram reunião para decidir sobre a continuidade da paralisação. Eles decidiram manter a greve e sugeriram uma nova proposta: que o índice de 9,8307% seja pago da seguinte forma: 3% em janeiro, 3% em abril e 3,8307% no mês de julho, todas em 2017.

Os servidores também querem o pagamento do retroativo da data-base 2015 e 2016 ambos no exercício de 2017. Os servidores também aceitaram a proposta de redução da carga horária de 8 para 6h do funcionalismo público. A proposta ainda será protocolada.

VEJA TAMBÉM
Prefeito Francisco Júlio (PSDB) autoriza início de obras de asfaltamento em Guaraí

Educação
Segundo presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), José Roque, ficou decidido após assembleia realizada nesta quinta-feira (3) que greve na educação continua.

Governo
A última proposta do governo é de pagar a data-base de 2015 em 12 vezes a partir de janeiro de 2017. Em relação à data-base de 2016, o pagamento seria dividido em três parcelas: um percentual de 2% seria pago em janeiro, mais 2% em maio e o restante em setembro do ano que vem.

O governo do Estado esclarece que já informou ao Movimento de União do Servidores Públicos Civis e Militares do Tocantins (Musme), via ofício, que descarta qualquer possibilidade de alterar as propostas feitas para o pagamento da data-base.

O governo informou ainda que, em razão da crise financeira, não tem condições de alterar a proposta e conta com o bom senso dos servidores e aguarda o restabelecimento pleno e funcionamento dos serviços públicos do Estado. g1TO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.