Representantes dos blocos defenderam a Maia que parceria com a prefeitura é essencial
Representantes dos blocos defenderam a Maia que parceria com a prefeitura é essencial

Neste fim de semana o prefeito eleito de Porto Nacional, Joaquim Maia (PV), se reuniu com representantes de blocos de carnaval da cidade. Na pauta da reunião estava o resgate do carnaval portuense, que já foi referência para todo o Estado.

Na ocasião, Maia passou a todos a sua intenção de fazer com que o carnaval atenda a todas as idades, levando para as ruas, além dos visitantes, a comunidade portuense. “Temos que fazer uma grande festa que possa proporcionar divertimento para todos, isso inclui as famílias de Porto Nacional, suas crianças, jovens e idosos. Uma festa pacífica marcada pela alegria.” Disse Joaquim Maia aos presidentes dos blocos. Maia deixou claro que precisa da participação dos blocos e que dará aos mesmos o apoio que precisarem.

Para Geovane, um dos pioneiros na formação dos blocos, a parceria com a prefeitura é essencial para que consigam atender os seus foliões. Para todos o sucesso do carnaval está ligado diretamente a duas ações: A contratação de bandas de renome e uma boa mídia para a sua divulgação. Ações que o prefeito eleito disse estar disposto a realizar.

VEJA TAMBÉM
Joaquim Maia rebate anúncio de que Parque do Povo é uma obra do atual governo

Também participou da reunião Arnaldo Bahia, que tem larga experiência em eventos, inclusive carnavais e deverá estar à frente da equipe de organização do carnaval 2017. “Com o envolvimento dos blocos e com a disposição e vontade do prefeito eleito Joaquim Maia em realizar um grande carnaval, digo que Porto Nacional voltará a ser referência no carnaval do norte do país. Já estamos fazendo contatos com artistas de projeção nacional e neste próximo fim de semana iremos nos reunir com os barraqueiros e comerciantes da praia. Vamos sim resgatar o bom carnaval de Porto Nacional.” Disse Bahia.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.