Corpos foram retirados pelo Corpo de Bombeiros (Foto: CIOPAER/SSP)
Corpos foram retirados pelo Corpo de Bombeiros (Foto: CIOPAER/SSP)

A Polícia Civil está ouvindo sobreviventes do desabamento de rochas que formavam o teto da gruta Casa de Pedra, em Santa Maria do Tocantins, nordeste do Tocantins. Cinco pessoas prestaram depoimento na delegacia de Pedro Afonso e outras ainda devem ser ouvidas no inquérito policial que busca identificar as causas do acidente.

A morte de dez pessoas ocorreu no dia 1º de novembro, quando cerca de 50 fiéis estavam no local durante uma celebração religiosa. As vítimas foram duas crianças e oito adultos, sendo sete mulheres e três homens. A gruta fica em um local aberto e de fácil acesso, a cerca de 10 quilômetros da cidade. Um vídeo registrou o local momentos depois do desabamento.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), o delegado responsável solicitou o laudo do instituto de criminalista, que foi feito logo após o acidente e tem 30 dias para ficar pronto. A polícia também aguarda o laudo da vistoria feito pela Defesa Civil.

Os laudos cadavéricos das vítimas foram concluídos na sexta-feira (11) e encaminhados para a delegacia, para serem anexados ao inquérito que busca identificar as causas do acidente.

VEJA TAMBÉM
Governo do Estado acompanha vítimas do acidente em Santa Maria do Tocantins

Entenda
Dez pessoas morreram no desabamento de rochas que formavam o teto de uma gruta em Santa Maria do Tocantins, região central do estado, de acordo com o Corpo de Bombeiros. O acidente foi registrado na manhã de terça-feira (1°). De acordo com a corporação, pelo menos 50 pessoas estavam na hora do desabamento celebrando o Dia de Todos os Santos.

O acúmulo de água na rocha e a vibração de vozes podem ter provocado o desabamento. A informação é do especialista em recursos minerais da Departamento Nacional de Produção Mineral, Fábio Lúcio Martins.

Conforme a Defesa Civil, fogos de artifício usados para espantar os morcegos também podem ter abalado a estrutura. “A rocha se comporta como uma bucha e se encharca de água. Além disso, já deveria ter alguma coisa, um desplacamento. Com o peso, ela pode desabar”, explicou.

Testemunhas também contaram que parte do teto da gruta tinha desabado no dia anterior ao acidente.

G1 TO

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.