(FILES) This file photo taken on January 2, 2001 shows a Tupolev-154 (TU-154) aircraft. A Russian military plane crashed on December 25, 2016 in the Black Sea as it made its way to Syria with 91 people onboard, including musicians heading to celebrate the New Year with troops. Local news agencies, citing the defence ministry, said the Tu-154 plane had crashed shortly after taking off from the southern city of Adler, south of the Black Sea resort city of Sochi, at 5:40 am local time (0240 GMT). / AFP PHOTO / Alexander NEMENOV
Modelo do avião Tupolev-154, que caiu no Mar Negro – FOTO: Alexander NEMENOV

MOSCOU – O Ministério da Defesa da Rússia confirmou que não há sobreviventes no acidente com o avião Tupolev-154 (TU-154), que caiu nas águas do Mar Negro quando ia neste domingo, 25, para a Síria com 92 pessoas a bordo. Agências de notícias haviam aumentado o número para 93, mas corrigiram a informação.

Em nota oficial do Kremlin, além de manifestar condolências, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou que seu primeiro-ministro, Dmitri Medvedev, lidere a investigação do acidente. A hipótese de atentado terrorista já foi descartada.

MOSCOU – O Ministério da Defesa da Rússia confirmou que não há sobreviventes no acidente com o avião Tupolev-154 (TU-154), que caiu nas águas do Mar Negro quando ia neste domingo, 25, para a Síria com 92 pessoas a bordo. Agências de notícias haviam aumentado o número para 93, mas corrigiram a informação.

Em nota oficial do Kremlin, além de manifestar condolências, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou que seu primeiro-ministro, Dmitri Medvedev, lidere a investigação do acidente. A hipótese de atentado terrorista já foi descartada.

Foto: Yevgeny Reutov/EPA/EFE
Avião russo que ia para a Síria com 92 pessoas a bordo cai no Mar Negro

Equipes de resgate buscam sobreviventes no Mar Negro

“A seis quilômetros do litoral de Sochi foi achado o corpo de uma das vítimas do acidente do avião Tu-154 do Ministério da Defesa”, informou o porta-voz dessa pasta, general Igor Konashenkov.

A aeronave decolou às 5h20 no horário local (0h20 em Brasília) do Aeroporto de Sochi, balneário às margens do Mar Negro, e 20 minutos depois desapareceu dos radares.

A bordo do aparelho, viajavam militares, um grupo de nove jornalistas russos e 64 integrantes do coro e conjunto de dança Alexandrov, do Exército russo, que iam participar das festividades de ano-novo na base aérea síria de Khmeimim, onde a Rússia tem pessoal presente.

A presidente da fundação “Ajuda Justa”, a médica Elizaveta Glinka, uma conhecida filantropa russa que acompanhava uma carga humanitária destinada a um hospital sírio, também estava no voo.

Sergei Jlapnikov, integrante do coletivo artístico militar, deixou de viajar pois estava de licença para cuidar da filha doente. Ele disse à agência “Interfax” que no avião estavam seguramente apenas membros do coro e do conjunto de dança, porque a apresentação na Síria não contemplaria a participação da orquestra.

Segundo os serviços de emergência, o Tu-154 vinha de Moscou e tinha feito escala no Aeroporto de Sochi para reabastecer.

Os destroços, disse uma fonte dos serviços de emergência à agência de notícias local, ficaram espalhados em uma extensa área situada a dez quilômetros do litoral, por isso que se teme que não haja sobreviventes. /EFE E REUTERS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.