Da Redação – Dermival Pereira

Prefeito de Palmas, Carlos Amastha - Foto: Júnior Suzuk
Prefeito de Palmas, Carlos Amastha – Foto: Júnior Suzuk

Em entrevista ao JM Noticia na manhã dessa segunda-feira, 26, o prefeito de Palmas, Carlos Amastha (PSB), comemorou a posição de Palmas no ranking das cidades consideradas mais bem avaliadas, segundo dados do IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, divulgados pela Revista Veja essa semana. IDH é a referência usada para medição de qualidade de vida de uma região.

De acordo com o gestor, “vemos como satisfatórios esses dados, pois refletem o trabalho de quatro anos! Tivemos o mesmo índice da região nordeste (Fernando de Noronha que obteve a mesma nota que Palmas, 0,788) e ficamos pouquíssima coisa atrás da região Centro-Oeste (Brasília obteve 0,824, seguida por Goiânia com 0,799); isso é uma nota fantástica para uma cidade que tem somente 27 anos”, comemorou o prefeito.

Sobre o que o foi feito para que Palmas alcançasse esse índice, o prefeito disse que “não tivemos quedas, pelo contrário, avançamos muito, melhoramos na saúde e Educação, apesar da crise, tudo nessa vida a gente faz com um propósito, a gente vive nossos problemas e nós sabemos que esse foi um ano muito difícil, mas para Palmas foi um ano muito positivo”, afirmou.

VEJA TAMBÉM
Altos preços de combustíveis são tema de reunião entre MPE e órgãos de defesa do consumidor
A revisão da planta de valores, que altera o valor venal dos imóveis e o seu redutor, está na Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Câmara Municipal de Palmas.
O prefeito disse que as ações irão continuar para que em 2017 o crescimento seja ainda maior.

Segundo o prefeito, Palmas teve um crescimento médio em torno de 8%, chegando até 30% em algumas áreas, enquanto o Brasil encolheu uma média de 10% a 15%. “Apoiamos o comércio através de parcerias com a CDL, pagamos em dia e antecipamos o 13º salário dos servidores, isso fomentou a economia e fez com que tivéssemos o natal mais movimentado de Palmas, além de atrairmos consumidores de outras cidades”, disse.

Dificuldades

Questionado sobre as dificuldades que o município ainda enfrenta, Amastha disse que um dos maiores problemas de Palmas “é o item competitividade, deixar de ser uma cidade em que as pessoas dependam totalmente do funcionalismo público, e para que isso aconteça, foram implementados alguns programas como o Palmas Solar que tem virado uma onda na cidade, pois além de darmos incentivos tributários, gera economia para as pessoas e riqueza para a cidade”.

Incentivos

Ainda sobre os incentivos que resultaram no crescimento de Palmas, o prefeito disse que as ações irão continuar para que em 2017 o crescimento seja ainda maior. “Vamos fomentar as ações com o Turismo de Eventos. Hoje, por exemplo, o Centro de Convenções já está com 75% de locação para o ano que vem! Também vamos implementar melhorias na Saúde, na Educação  visando melhorar ainda mais esse índice”, pontuou o prefeito, ressaltando que parcerias com o comércio e os investimentos feitos na iluminação de Natal atraíram mais de 30% dos turistas que decidiram vir passar o Natal em Palmas.

VEJA TAMBÉM
Palmas recebe 2ª edição do "Clama Palmas"

 Dados do IDH de Palmas

Criado em 1989, o município de Palmas tem 2.217,83 quilômetros quadrados, uma população de cerca de 228 mil habitantes que não para de crescer. Nos dez últimos, Palmas obteve uma das maiores taxas de crescimento do país.

Capital mais jovem do país, e também considerada a mais quente, Palmas é a melhor cidade da região Norte do Brasil quando se avalia longevidade da população (74,61 anos), renda (R$ 1.087 per capita ao mês) e os indicadores de educação. Com apenas 27 anos de idade, o município ainda passa a imagem de “canteiro de obras” com várias construções espalhadas por suas largas avenidas. O setor de serviços é a principal fonte da economia da capital.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.