USA-ISRAEL_DEFENSEIsrael convocou neste domingo os representantes dos países que apoiaram o voto na ONU de uma resolução contra seus assentamentos, uma situação fortemente criticada por Tel Aviv que atacou o presidente americano Barack Obama.

Pela primeira vez desde 1979, os Estados Unidos não vetaram na sexta-feira uma resolução no Conselho de Segurança a respeito dos assentamentos israelenses construídos nos Territórios palestinos ocupados.

A abstenção, combinada com o voto favorável de 14 outros membros, permitiu a adoção deste texto.

O porta-voz do ministério israelense das Relações Exteriores, Emmanuel Nahshon, declarou que os representantes desses 14 membros do Conselho de Segurança eram esperados neste domingo na sede da chancelaria em Jerusalém.

O representante dos Estados Unidos não foi convocado.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reagiu fortemente à aprovação da resolução chamando-a de “tendenciosa e vergonhosa”.

Netanyahu, que mantém relações notoriamente tensas com o presidente Obama, atacou seu governo.

“A decisão que foi tomada é tendenciosa e vergonhosa, mas superaremos. Isso precisará de tempo, mas essa decisão será anulada” declarou Netanyahu em uma cerimônia retransmitida na televisão israelense.

VEJA TAMBÉM
Trump diz que não vai permitir que transgêneros prestem serviço militar

Essa resolução é “um golpe anti-israelense vergonhoso” do qual há que colocar a culpa “no governo Obama”, explicou, em referência ao presidente americano.

A resolução exige que “Israel cesse imediatamente e completamente os assentamentos nos territórios palestinos ocupados, incluído Jerusalém Oriental”.

A ONU, que afirma que as colônias são ilegais com base no direito internacional, alertou nos últimos meses sobre a proliferação das edificações.

Cerca de 430.000 israelenses vivem atualmente ma Cisjordânia, e outros 200.000 em Jerusalém Oriental, que para os palestinos deve ser a capital de seu futuro país.

Apesar de não prever sanções contra Israel, autoridades israelenses temem que a resolução facilite os processos na justiça internacional e encoraje as sanções contra os produtos de suas colônias.

Um porta-voz do presidente palestino, Mahmud Abbas, chamou a resolução de “um golpe” para Israel.

“Esta é uma condenação internacional unânime da colonização e um forte apoio a uma solução de dois Estados”, disse Nabil Abu Rudeina à AFP.

Neste contexto, a rádio militar relatou neste domingo que o ministro israelense da Defesa, Avigdor Lieberman, havia ordenado o fim de toda a cooperação com os palestinos em assuntos civis, mas mantendo a cooperação na área de segurança. Nenhum comentário oficial a este respeito foi emitido.

VEJA TAMBÉM
Governo brasileiro se posiciona contra Israel e sai em defesa dos palestinos

Em meio a essa crescente tensão, o papa Francisco desejou em sua mensagem de Natal “Urbi et Orbi” (“À cidade e ao mundo”) neste domingo “que israelenses e palestinos tenham coragem e a determinação de escrever uma nova página da história, onde o ódio e a vingança deem lugar à vontade de construir juntos um futuro de compreensão recíproca e de harmonia”.

jjm/hj/nbz/mr

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.