Pastor Valdemiro Santiago recebe alta após ser esfaqueado: "Era para eu ter morrido"
Pastor Valdemiro Santiago recebe alta após ser esfaqueado: “Era para eu ter morrido”

O líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, apóstolo Valdemiro Santiago, recebeu alta horas após ser atingido por uma facada durante um culto na manhã de ontem, na igreja do Brás, centro da capital paulista. Ele foi liberado no domingo (8) do Hospital Sírio Libanês, que fica na região central de São Paulo, por volta do meio-dia.

Em casa e ao lado da mulher, a bispa Francileia, o religioso gravou um vídeo e o postou na página da igreja no Facebook. “Eu nem vi o sujeito, só lembrei que eu tinha abaixado para dar um abraço em uma pessoa, e era ele. Ele já está abençoado, está perdoado, quem sou eu para negar perdão”, contou.

Valdemiro disse ainda: “Era para eu ter morrido. O doutor falou comigo: você nasceu de novo”.

O pastor foi esfaqueado no pescoço e nas costas pelo ajudante-geral Jonatan Gomes Higino, 20, na manhã de ontem. O agressor foi contido por seguranças da igreja e, depois, detido e indiciado por tentativa de homicídio por motivo fútil, de acordo com o boletim de ocorrência registrado pela Polícia Civil.

Higino contou à polícia que teria roubado o facão e decidido matar o pastor na manhã deste domingo, pois se sentiu “incomodado com as palavras de Valdemiro” em um culto anterior.

O jovem foi levado ontem ao 8º Distrito Policial, no Brás, sendo transferido na manhã desta segunda-feira (9) ao 2º Distrito Policial, no Bom Retiro. De lá, ele foi encaminhado ao Fórum Criminal da Barra Funda, na zona Oeste de São Paulo, para participar de uma audiência de custódia, quando um juiz deve decidir se ele será preso ou responderá ao processo em liberdade.

A Igreja Mundial do Poder de Deus, conta atualmente com cerca de 315 mil fiéis e mais de 3.000 templos pelo Brasil –a Universal tem 5.000– e possui a mais extensa cobertura televisiva entre evangélicos, segundo o Censo de 2010. Com informações UOL

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.