Por Amanda Oliveira 

Lúcio Campelo lembrou que o processo também foi alvo de ressalvas da Câmara Municipal Foto: Divulgação

Na sessão desta quinta-feira, 16, o vereador Lúcio Campelo trouxe a público a notícia de bloqueio da execução da obra do BRT – Bus Rapid Transit, em Palmas, divulgada no Diário Oficial da União do último dia 15. A publicação traz Decreto Legislativo assinado pelo senador Eunício Oliveira presidente do Senado, e apresenta irregularidade do processo.

Ainda em 2016, após encaminhamento do Tribunal de Contas da União, o Comitê de Obras com Indícios de Irregularidades Graves do Senado Federal informou a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização da Casa, a situação do Processo com termo de compromisso de nº 683171 o qual viabilizaria um corredor exclusivo de BRT de 15,45 km, com valor de mais de 15 milhões.

Conforme o TCU, dentre os indícios de irregularidades detectados estão, o estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental deficiente; anteprojeto de engenharia deficiente; motivação deficiente do ato de escolha do regime de contratação integrada do RDC e restrição à competitividade do certame.

VEJA TAMBÉM
Juiz nega liminar para suspender MP sobre reestruturação da carreira de Procurador Municipal

Lúcio Campelo lembrou que o processo também foi alvo de ressalvas da Câmara Municipal. ‟Palmas passou 4 anos de mentira em cima de uma obra que nós sabíamos que não iria acontecer”, disse o Parlamentar que reafirmou a necessidade de fiscalização das licitações de obras, para que Palmas não perca novamente uma quantia relevante por incompetência da gestão.

‟Acabamos de aprovar o empréstimo de 12 milhões com o CAF para um BRT que nem vai existir, é preciso rever esse processo e reverter esse recurso para outras obras para que não o percamos também”, concluiu o Vereador.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.