Da Redação do JM Notícia

Cristão é morto nas filipinas, por milicia do Estado Islâmicas

A milícia jihadista Abu Sayyaf decapitou o alemão Jurgen Kantner, de 70 anos, que fora sequestrado por eles em novembro do ano passado. Em um vídeo divulgado pelos terroristas, eles argumentam que havia vencido o prazo para o pagamento do resgate. Eles exigiam 30 milhões de pesos (cerca de R$ 1,8 mi) até o final da manhã de domingo.

Quando Kantner foi capturado, os jihadistas mataram a tiros sua esposa, Sabine Merz. O corpo foi achado pelas autoridades das Filipinas no dia 7 de novembro no barco onde o casal viajava.

Ronald “Bato” Rosa, diretor da Polícia Nacional, explicou durante uma entrevista coletiva que a execução aconteceu na província de Zamboanga. “Ainda temos que encontrar o corpo, mas a morte está confirmada”, lamentou.

Chama atenção o fato de, no vídeo, o alemão estar usando um macacão laranja enquanto é degolado por um homem armado com uma longa faca e com o rosto coberto por uma máscara negra. O modus operandis é muito parecido com os vídeos de execução divulgado nos últimos anos pelo Estado Islâmico, a quem o Abu Sayyaf jurou lealdade. Bandeiras do EI também podem ser vistas nas imagens.

VEJA TAMBÉM
Iraque promete vitória contra Estado Islâmico em Mossul nos próximos dias

Abu Sayyaf, que significa “Portador da Espada” vem sequestrando estrangeiros e cristãos há décadas e lutam pela implantação da sharia no sul das Filipinas. Eles atuam nas águas que dividem as Filipinas da Malásia. Atualmente mantém como reféns pelo menos 19 estrangeiros e sete filipinos, explica o porta-voz do exército, general Restituto Padilla.

Fundado na década de 1990 por extremistas ligados à Al-Qaeda, os jihadistas geralmente matam as vítimas quando suas exigências não são atendidas. Eles são responsáveis pelo maior atentado do país, quando explodiram um ferry na Baía de Manila, em 2004, matando 116 pessoas. (Com informações CNN)

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.