Da Redação do JM Notícia

Nova estrutura será inaugurada neste sábado

Acontece neste sábado,18, a partir das 10 horas, no povoado Mumbuca, distante a 40 quilômetros de Mateiros, a inauguração da nova estrutura física da ponte sobre o rio que dá nome à comunidade tradicional quilombola da região do Jalapão. A única ponte que liga a comunidade quilombola Mumbuca à cidade pegou fogo, deixando a comunidade insolada durante cinco, nesse período os moradores enfrentaram muitos transtornos e a obra tornou-se alvo de ações da Defensoria Pública do Estado.

Em janeiro deste ano, a Justiça acatou pedido do Núcleo da Defensoria Pública Agrária (DPAGRA) juntamente com Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos (NDDH) e do Núcleo de Ações Coletivas (NAC), feito em Ação Civil Pública, e determinou o prazo de 45 dias para que o Município de Mateiros e o Governo do Estado apresentem projeto e cronograma para a construção da ponte de acesso à Comunidade Quilombola Mumbuca, na região do Jalapão. A Ação foi proposta em dezembro do ano passado e a decisão publicada na manhã desta terça-feira, 24.

Além disso, foi determinado o prazo de 15 dias para a providência de acesso alternativo para garantir o acesso da comunidade ao Município de Mateiros às demais regiões. Ambos os pedidos estão condicionados à multa diária de mil reais, caso não observados.

VEJA TAMBÉM
Barbosa alerta governo para aproveitar mídia de novela e desenvolver o Jalapão

A obra
A obra foi realizada com o apoio do Governo do Estado, por meio da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), em parceria com a Prefeitura Municipal de Mateiros, a Associação dos Artesãos e Extrativistas do Povoado de Mumbuca, empresários e demais colaboradores.

A nova ponte demorou quatro semanas para ser concluída, contando com o apoio de 15 trabalhadores, sete equipamentos de construção civil e automóveis. A estrutura é composta por oito vigas pré-moldadas. Na construção foram utilizados 280 sacos de cimento, 32 metros cúbicos de areia lavada e vários metros de ferragem.  A obra facilitará o acesso de automóveis e pedestres à comunidade que ficou famosa pela produção do artesanato em Capim Dourado.

Ponte pegou fogo há cinco meses, deixando a comunidade totalmente insolada

Entenda
Cinco meses já haviam se passaram desde que a única ponte que liga a comunidade quilombola Mumbuca à cidade pegou fogo e ficou totalmente destruída.  Porém, nenhuma providência havia sido tomada e os moradores continuram isolados. A população se viu ilhada e sem estrutura, o que fez com que tarefas simples necessitem de um enorme esforço, ou mesmo se tornem impossíveis de serem realizadas, como comprar alimentação ou irem à escola.

VEJA TAMBÉM
Atrativos turísticos do Tocantins são ótimos destinos para curtir feriado prolongado

A cobrança da reforma da ponte por parte da Defensoria Pública do Estado do Tocantins vinha acontecendo desde o ano de 2014. O coordenador do DPAGRA,  defensor público, Pedro Alexandre Conceição, lembrou, no mês passado, que a Defensoria Pública do Estado do Tocantins já havia comunicado ao Município de Mateiros sobre a precariedade da ponte, quando visitou a comunidade durante atendimento itinerante do projeto “Defensoria Quilombola” realizado em Mateiros, em junho de 2016.

Quando houve o incêndio da ponte de acesso à comunidade, que culminou em sua destruição total, o núcleo da Defensoria especializado requisitou informações e providências ao Governo do Estado e ao Município de Mateiros.

Com os transtornos, alunos não conseguiram concluir o ano letivo

No dia 8 de dezembro de 2016, representantes da Comunidade Mumbuca encaminharam pedido de socorro para à Defensoria, relatando o desespero da comunidade em ficar sem qualquer acesso à cidade de Mateiros, completamente isolados e ilhados, pois em razão das chuvas, sequer o acesso de pedestres está sendo possível. “Os estudantes da comunidade sequer conseguiram concluir o ano letivo, em razão do completo isolamento.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.