Da Redação – Ricardo Costa

Pastor Suimar Caetano, presidente da Assembleia de Deus Missão no Brasil, Portugal e Estados Unidos – Foto: Sigeaki Silva

De acordo com um levantamento realizado pela Aliança Evangélica Portuguesa, organização que agrupa a maioria das comunidades evangélicas em Portugal, o número de templos evangélicos em Portugal caiu  de 1630 para 964, entre os anos de 2000 e 2016.

Sede da AD Missão Projeto Restaurando Vidas em Portugal – Foto: Divulgação

De acordo com estudo da Aliança Evangélica Portuguesa, uma das explicações para esta redução é a saída do país de muitos imigrantes, sobretudo de brasileiros que retornam ao país nos últimos anos.

O estudo constatou que apesar da diminuição no número de templos evangélicos, no mesmo período foram abertas 322 novas igrejas, entre alguns acontecendo à fusão de igrejas, como é o caso da Assembleia de Deus Projeto Restaurando Vidas como sede no Brasil, e que já chegou a ter 13 congregações em Portugal, reduzindo na época a 06 congregações.

Cristina Soares preside, desde 2003, a uma igreja que só existe no Porto e que conta com um grupo de 40 fiéis. A Igreja das Boas Novas “é independente, foi fundada no Porto por um casal brasileiro em 1992 Foto Pedro Correia/Global Imagens

Ainda de acordo com o estudo, em média cada igreja faz cinco batismo por ano. Lisboa, Porto e Setúbal concentram a maioria das comunidades evangélicas portuguesas, em que a média é de 49 membros por igreja.

“Quando falamos de 2000 igrejas com portas abertas ao público é preciso ver o contexto. Muitas dessas igrejas eram pequenos espaços, algumas delas em garagens, por vezes formadas por um imigrante que chegava e queria ter cá um culto semelhante ao que já conhecia e reunia um grupo de pessoas para abrir uma igreja. Muitas estavam abertas dois ou três anos e depois fechavam”, disse ao DN António Calaim, presidente da Aliança Evangélica Portuguesa.

“Muitas dessas garagens deram lugar a um único espaço, com melhores condições”, aponta o médico de 60 anos, com o reconhecimento que “não há dúvida que há menos igrejas”.

António Calaim aponta também que há agora alguma estabilização. “Nas décadas de 1980 e 1990 houve um boom, com a chegada de pessoas das antigas colónias [Cabo Verde tem muitos evangélicos] e com a entrada de muitos imigrantes, os brasileiros mas não só. A partir do ano 2000 iniciou-se a redução.” Outro fator a ter em conta, segundo a Aliança, é o “forte. Com informações DN Portugal

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • IVAN ADEMAR DE ARRUDA. Ademar

    ola pessoas que a paz do senhor esteja em cada um dos amados de Deus e queridos irmaos , vou deixa o meu parecer a respeito do fechamento dos templos vemos que quando os homens de Deus que se materializaram e ate se corromperam com as barras de ouro , e com os rapo de saias e outros pecados como muitas mentiras e ganancias por dinheiro , saibam que a igreja de Cristo Jesus nunca sera vencida por nada , pois todos nos humanos somos a igreja de Cristo aqui na terra , e as velhas conhecem a voz do seu pastor mas de modo nem um vai seguir o estranho , quem disse esta palavra foi o nosso amado mestre … https://uploads.disquscdn.com/images/d19c781203a7f5706da804f3656e8c6ea1167590f082222cb0982260db7bdf90.jpg

  • Daniel Lino

    A Paz do Senhor, o fechamento de muitas igrejas em Portugal, da se ao fato também, de haver muito pouca assistência dos pastores presidentes, dizer que é o fundador de um ministério, não é dizer que é propriamente o pastor do mesmo, no meu ver existia muito mais interesse na igreja aqui, quando as entradas eram maiores (falando financeiramente) mais hoje muitas destas igrejas com sede em outros países (Brasil principalmente) não tem tido apoio ministerial . mais oremos, Deus é o dono da obra.