Da Redação do JM Notícia

Operação foi deflagrada em seis estados

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 21, uma operação para desarticular uma organização criminosa especializada em fraudes contra o sistema bancário na internet e crimes cibernéticos. São cumpridos 37 mandados judiciais em Goiás, além dos estados do Pará, Tocantins, Santa Catarina e no Distrito Federal. A estimativa é que o esquema tenha causado prejuízo de mais de R$ 2,5 milhões, segundo matéria divulgada agora a pouco na Globo News e no portal de noticias da Globo.

De acordo com a PF, essa é a segunda fase da Operação Darkode. A primeira ocorreu em julho de 2015, cujos alvos eram hackers que se comunicavam por intermédio de um site denominado Darkode. Na época, dois homens suspeitos de participar de um esquema de fraudes internacionais pela internet foram presos em Goiânia.

Nesta manhã, cerca de 100 policiais federais cumprem os 37 mandados judiciais, sendo quatro mandados de prisão preventiva, 15 mandados de prisão temporária e 18 mandados de busca e apreensão em residências e em empresas vinculadas ao grupo investigado, com o objetivo de colher provas contra outros integrantes e beneficiários da organização, bem como identificar e apreender bens adquiridos ilicitamente.

VEJA TAMBÉM
Cerca de 30% das praias do Tocantins não estão licenciadas para temporada

As diligências são realizadas nas cidades de Goiânia, Aparecida de GoiâniaAnápolis e Senador Canedo, além do Pará, Tocantins, Santa Catarina e Distrito Federal.

De acordo com a PF, a organização criminosa cometia fraudes contra o sistema bancário por meio da internet.

O homem apontado como líder da organização, cujo nome não foi revelado, cumpre pena no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, imposta por sentença condenatória da 11ª Vara Federal de Goiânia em decorrência da prática de crime cibernético.

Ainda segundo a PF, o nome da operação faz alusão ao fórum internacional intitulado Darkode, criado em 2007, com o propósito de reunir os maiores e os mais especializados hackers e criminosos cibernéticos em um único ambiente virtual.

A corporação deve dar outros detalhes sobre os trabalhos em entrevista coletiva prevista para esta manhã. (Com informações do g1.com.br).

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.