Secretário Danilo Melo esclarece que Palmas não dispõe do livro ‘Máquina de Brincar’

Em resposta ao vereador Filipe Martins (PSC), que solicitou esclarecimento junto à Secretaria de Educação, sobre o livro “A máquina de brincar”, o secretário de Educação, Danilo Melo, enviou nesta terça-feira, 21, uma resposta oficial ao vereador.

No ofício consta que: “conforme averiguação in loco pela Diretoria de Ensino Fundamental/Semed, as unidades educacionais da Rede Municipal de Ensino de Palmas, não dispõe do livro “A máquina de Brincar”, do autor Paulo Bentacur”.

Em continuação, o secretário ainda esclareceu que os “títulos literários, recebidos pelas escolas, são oriundos do Programa Nacional Biblioteca /PNBE, programa submetido a diversas etapas (edital, avaliação, seleção de obras, aquisição, produção, qualidade física e distribuição nas escolas).”

O vereador Filipe Martins (PSC) afirmou que está satisfeito com o empenho do secretário em averiguar a situação. “Ficamos gratos e reafirmamos nosso compromisso em continuar atentos a esses assuntos que venham prejudicar nossas crianças”.

Entenda

No último dia 9, o vereador Filipe Martins solicitou ao secretário de Educação, Danilo de Melo, que apresentasse de forma urgente, esclarecimentos sobre o livro “A Máquina de Brincar” de Paulo Bentancur. 

De acordo com o parlamentar, o livro faz, claramente, apologia ao satanismo.

Em um dos trechos, de um dos poemas que contém no livro, intitulado: “O diabo que me carregue”, está escrito: “Ó diabo, meu grande amigo, vem, vem brincar comigo. A tua testa é coroada por duas guampas afiadas”. Em outra estrofe, o poema diz o seguinte: “Ó diabo meu grande amigo, vem, vem brincar comigo. Todos os filmes de terror tu escreveste com amor.”

Outro fato assustador e que chamou atenção, é que o livro tem partes para ler no claro, e outras, no escuro.

Para o vereador Filipe Martins, se fosse comprovado que o livro estivesse nas escolas, o ideal seria retira-los de circulação, já que não haveria cunho pedagógico no material. “Não podemos permitir que nossas crianças sejam expostas a tais conteúdos. As crianças vão à escola para aprender matemática, português, ciências, etc, não para saber sobre diabo, e muito menos invocá-lo”, disparou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.