Por Katiuscia Gonzaga
Filipe Martins propõe criação de Bancada Evangélica na Câmara de Palmas

A Câmara de Vereadores de Palmas poderá contar com uma Bancada Evangélica nos mesmos moldes do bloco cristão existente no Congresso Nacional. O requerimento que formaliza o pedido para a criação do grupo foi apresentado nesta quinta-feira, 20, e é de autoria do vereador Filipe Martins (PSC).

“O fato de o Estado ser laico é o que dar sustentáculo à ideia de que diferentes segmentos da sociedade planejem sua representação no parlamento. Os evangélicos possuem, como qualquer outro grupo, direito à representatividade, dentro das fronteiras do ambiente democrático”, argumentou.
O vereador explicou ainda que a bancada se formará não em busca de privilégios para o segmento evangélico ou para promover polêmicas, mas para ser um canal de discussão que promova entendimento e harmonia para a sociedade.
 “Não somos sectários, radicais ou defensores de verdades absolutas. Vamos atuar sempre com o objetivo de encontrar soluções pacíficas e consensuais, respeitando as divergências naturais encontradas na sociedade democrática”, disse Martins.
Ainda de acordo com o autor da proposta, “o papel central da bancada evangélica será exercer o contrapeso conservador à balança política, papel que em nenhum aspecto fere a laicidade do Estado ou impõe práticas cristãs aos que não comungam de tais ideais.”
Sem ônus
Se aprovada, a bancada não terá nenhuma estrutura física que traga ônus à Câmara e será apenas uma frente em que os vereadores que a compõem estarão unidos por uma única causa. Não vai envolver estrutura de gabinete,  tendo apenas posicionamento ideológico.
“Será uma frente com posições ideológicas similares, idênticas e homogêneas para defender um seguimento que nós entendemos que contribui muito para a sociedade, para defender os valores da família nos seguimentos espirituais de princípios cristãos, éticos e bíblicos”, pontuou Filipe Martins.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.