Apenas sete famílias restaram na maior cidade cristã do Iraque

O evangelista Franklin Graham visitou algumas igrejas destruídas e relatou o que viu

536

Antes da invasão do Estado Islâmico em Qaraqosh, no Iraque, 50 mil cristãos viviam na cidade que era considerada a maior cidade cristã do país. Mas com os ataques terroristas, muitos cristãos foram mortos e famílias inteiras deixaram a região em busca de um local de paz para viver. Com isso, apenas sete famílias cristãs continuam morando na cidade.

A condição de Qaraqosh deixou Franklin Graham consternado. O evangelista esteve no Iraque durante o fim de semana de Páscoa e pode ver de perto o que restou da igreja que foi amplamente perseguida no país.

“Ontem nós fomos para a cidade de Qaraqosh, no Iraque, que costumava ser o lar de cerca de 50.000 cristãos. Eles foram forçados a fugir para salvar suas vidas em 2014. Agora apenas cerca de 7 famílias permanecem na região”, escreveu Graham em um post do Facebook.

Graham mantinha trabalhos sociais com a população, e durante a vista descobriu no meio dos escombros uma caixa que ele reconheceu como um dos presentes dados pelo programa Bolsa do Samaritano.

VEJA TAMBÉM
Explosões em duas igrejas deixam mais de 40 mortos no Egito

“Em meio a cinzas e detritos, descobrimos uma de nossas caixas de sapato da Bolsa do Samaritano, enviadas com brinquedos e roupas a crianças. Eu não pude deixar de me perguntar onde estaria hoje a criança que recebeu aquela caixa”, escreveu o filho de Billy Graham.

 

Evangelista visita igreja destruídas pelo Estado Islâmico

Um dos relatos do evangelista sobre esta visita à cidade iraniana fala de uma igreja que foi totalmente destruída pelos terroristas.

O pastor daquela congregação acompanhou o Franklin Graham e a jornalista Greta Van Susteren, da NBC News, nessa visita e lá eles puderam ver de perto o tamanho da maldade e do ódio contra os símbolos cristãos.

Eles viram, por exemplo, que os soldados do EI usaram metralhadoras para atirar nas cruzes da parede e que o púlpito havia sido usado para a prática de tiro ao alvo. Além disso, Graham disse que militantes explodiram a torre da igreja com explosivos e páginas da Bíblia estavam carbonizadas.

A Bolsa do Samaritano produziu um pequeno vídeo, destacando a destruição causada pelos terroristas nas planícies de Nineveh. Muitas igrejas acabaram servido de centros de treinamentos para os soldados e outras como “câmaras de tortura”. Em uma delas foi pichado na parede a seguinte frase: “Vocês amam a vida, nós amamos a morte”. Em outra parede foi encontrado a inscrição: “Viemos beber seu sangue”.

VEJA TAMBÉM
Jovem cristão é agredido por muçulmanos na Autrália

“Uma coisa é destruir os prédios, estes podem ser reconstruídos, mas a Igreja agora está sendo perseguida e aqui está um grande exemplo do que está acontecendo com a Igreja”, afirmou Graham. Com informações de The Christian Post.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.