Um pastor evangélico e alguns membros de sua comunidade estão entre as vítimas da chacina que aconteceu na última quinta-feira (20) em Gleba Taquaruçu do Norte (MT).

Todas as vítimas são homens com idades entre 23 e 50 anos. Segundo relatos, os assassinos usaram capuz escondendo seus rostos e atacaram os homens com facadas. Pelo que foi notado pela perícia, algumas das vítimas foram amarradas e torturadas antes de serem mortos.

No domingo a Polícia voltou ao local para encontrar pistas sobre os assassinos, mas ao que tudo indica os assassinos seriam contratados por fazendeiros que denunciam a invasão das terras.

O conflito pelo controle da área já dura anos e vários outros conflitos já foram registrados no local. “Nunca vi tamanha crueldade”, disse um jornalista que conseguiu acesso até o local onde as vítimas foram encontradas.

 

 

Polícia identifica corpo de pastor

A Polícia Civil de Mato Grosso identificou a oito dos nove mortos e confirmou o pastor Sebastião Ferreira de Souza, 57 anos, está entre as vítimas dessa chacina que horrorizou o país.

Pelas investigações já avançadas, as autoridades já sabem que quatro homens contratados pelos fazendeiros da região foram os responsáveis pelo crime.

Além de golpes de facão, eles também usaram arma calibre 12 para executar os homens que estavam nos barracos do assentamento disputando a terra reivindicada pelos fazendeiros.

Vítimas identificadas:

O pastor Sebastião Ferreira de Souza, 57 anos

Francisco Chaves da Silva, 56 anos

Valmir Rangeu do Nascimento, 55 anos

Aldo Aparecido Carlini, 50 anos

Izaul Brito dos Santos, 50 anos

Edson Alves Antunes, 32 anos

Ezequias Santos de Oliveira, 26 anos

Samuel Antonio da Cunha, 23 anos

Para identificar o último corpo a polícia aguarda os documentos vindos de Alagoas através da Politec (Perícia Oficial e Identificação Técnica de Mato Grosso) para poder confirmar que a nova vítima é Fábio Rodrigues dos Santos, de 37 anos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.