Ministério Público de SC quer explicações sobre repasse de 400 mil aos Gideões

O valor seria destinado a melhorias em infraestrutura para receber os mais de 150 mil participantes do maior congresso evangélico do Brasil

1966

A Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina terá que explicar o repasse de R$ 400 mil dado ao Congresso de Gideões Missionários da Última Hora.

O pedido foi feito pelo Ministério Público estadual e a procuradora-geral adjunta, Cibelly Farias, requereu cópias de todos os documentos apresentados pela Associação Rádio Paz do Valle FM, organizadora do evento.

A secretaria alega que o evento de natureza singular tem grande relevâncias para o turismo do Estado e explica que, por ser um evento que apenas uma empresa tem experiência em organizar, não caberia abertura de edital.

Fora esses valores vindo do Estado, a prefeitura e Balneário Camboriú destinou R$ 320 mil de forma indireta que servirão para o investimento em infraestrutura.

“Este é o valor máximo, mas estamos trabalhando para que fiquem bem abaixo do limite”, disse o secretário de Administração, Ramon Jacob. Foram 14 votos favoráveis e um contrário no parlamento municipal.

Considerado o maior evento pentecostal da América Latina, os Gideões Missionários recebem – do dia 22 de abril a 1º de maio – cerca de 150 mil de evangélicos das mais diferentes cidades brasileiras que se reúnem em Camboriú (SC).

VEJA TAMBÉM
Pastor Reul Bernardino confirma participação no Gideões Missionários em Palmas

Essa é a 35ª edição do evento que conta com a participação de dezenas de preletores e cantores evangélicos.

No ano passado a procuradora Cibelly Farias já havia recomendado que o Estado e o município se abstivessem de fazer repasses ao congresso, criticando a falta de especificação no edital sobre como a quantia seria aplicada.

Este ano, porém, o repasse não foi barrado por deixar claras as aplicações afirmando que o valor será utilizado exclusivamente em infraestrutura turística.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.