Da Redação 

Amastha assina ordem de serviço para pavimentação das quadras 1003 Sul e 1103 Sul

A Prefeitura de Palmas -TO, assinou na última sexta-feira, 28, ordem de serviços para pavimentação das quadras 1003 Sul e 1103 Sul. O termo foi assinado pelo prefeito Carlos Amastha, em seu gabinete, no Instituto Municipal de Planejamento de Palmas (IMPUP). De acordo com informações do Paço Municipal, as obras deverão iniciar no próximo dia 08 de maio, conforme prevê o contrato.  As obras são de pavimentação asfáltica, drenagem, calçadas e sinalização.

Durante coletiva de imprensa, o gestor municipal explicou que a população da Capital não pode mais conviver com quadras sem pavimentação dentro do Plano Diretor. “Não vamos mais aceitar essa história de empresa ganhar licitação, iniciar as obras e abandonar, agora é para finalizar, é isso todos nós palmenses desejamos e merecemos”, disse Amastha.

O subprefeito da região sul de Palmas, João Campos comemorou a assinatura do termo, lembrando que foi uma de suas solicitações feitas ainda em 2013, quando exercia o mandato de vereador da capital:

Ex-vereador Pastor João Campos (PSC)

“Hoje é uma data muito especial, muito importante para nós, tendo em vista que, estamos vendo hoje uma de nossas demandas, sendo atendidas pelo prefeito Carlos Amastha. Esta obra irá ajudar a melhorar a vida das pessoas que moram naquelas quadras“, disse João Campos.

VEJA TAMBÉM
Amastha faz exonerações de novos secretários; vice pode estar entre os exonerados

Hospital do Câncer de Barretos em Palmas

Na ocasião, representantes da Fundação Pio XII entregaram ao prefeito Carlos Amastha, a documentação para liberação da área onde será construído o Hospital do Câncer de Barretos em Palmas. A Unidade hospitalar será implantada em uma área de cerca de 80 mil m², na NS01 com a LO27, Quadra 1.101 Sul.

De acordo com a presidente da Fundação Pio XII, arquiteta Monica Avelino, a previsão é para a construção do Hospital seja em no máximo cinco anos. “Temos um prazo, mas estamos trabalhando para concluir bem antes. Agora, o que buscamos da prefeitura é a legalização das obras, pois estamos tratando de um hospital filantrópico que vai atender pacientes de todo Estado de forma gratuita, independente da condição financeira da família desse paciente”, explicou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.