Da Redação JM Notícia

O apóstolo Fadi Faraj, líder da igreja Ministério da Fé, e sua irmã , a pastora e deputada distrital Sandra Faraj (SD), são investigados pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), na Operação Heméra (deusa da mentira, em grego).

Na semana passada a sede da igreja, localizada na cidade de Taguatinga, foi alvo de mandados de busca e apreensão e entre documentos os policiais levaram um cofre com dinheiro.

Mas neste domingo (30), o religioso falou aos seus fiéis e negou as acusações. “Nós não precisamos roubar ninguém… Sabe qual é a nossa fonte? É o Senhor. Nós não precisamos roubar ninguém, não precisamos tirar nada de ninguém porque o Senhor que é a nossa fonte, a nossa provisão”, disse.

Diversos pastores mostravam cartazes com dizeres em apoio ao apóstolo, a Sandra e a congregação. Mas alguns fiéis, após as denúncias, já começaram a deixar a denominação.

Investigação

Fadi e Sandra Faraj são investigados por corrupção, falsidade ideológica e uso de documento falso, além de coação de testemunhas no curso do processo.

VEJA TAMBÉM
Grupo de Amastha “mira” em pastores para serem candidatos a vereador na capital

As denúncias apontam que a dupla de pastores usava de forma irregular a verba indenizatória da Câmara Legislativa. Sandra teria, supostamente, embolsado R$ 150 mil.

Fora isso, eles são acusados de cobrar parte do salário dos servidores comissionados nomeados pela parlamentar, ou por indicação dela e do irmão, na estrutura do GDF e da Câmara Legislativa. Caso sejam considerados culpados, as penas podem ultrapassar 20 anos de reclusão e a deputada poderia o cargo.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Sérgio H Izidio da Silva

    Não é só a corrupção na política que vai a acabar nesse país mas o vespeiro que são essas religiões neopentecostais também vão cair. Muito líder religioso vai pra cadeia!