Da Redação JM Notícia

Segundo a coluna Radar On-Line, da Revista Veja, o pastor Silas Malafaia penhorou sua igreja para obter um empréstimo bancário de alto valor.

Presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (ADVEC), com sede no bairro da Penha, no Rio de Janeiro (RJ), o pastor estaria disposto a dar a igreja como garantia para o empréstimo de R$ 10 milhões.

A ADVEC possui diversas filiais no Rio de Janeiro, mas também está presente em outros estados como Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo e também no Distrito Federal.

O pedido de empréstimo reforça que as contas das empresas do líder religioso não estão bem, a coluna Radar On-Line brinca que a crise afetou a arrecadação de dízimos da igreja ainda que não saibamos qual o destino desse empréstimo.

De qualquer forma, vale lembrar não é a primeira vez nos últimos dois anos que Malafaia precisa recorrer a uma atitude drástica para equilibrar as contas de suas empresas, em 2015 ele precisou demitir 40% dos funcionários da Editora Central Gospel.

VEJA TAMBÉM
Malafaia convoca nação contra projeto de lei que "quer calar juízes e promotores"

Na época Malafaia confirmou a demissão de funcionários e culpou a crise financeira pela medida tomada. “É lamentável. As pessoas não estão consumindo. Estão ficando desempregadas e, como outras empresas, sentimos a crise. O sol se levanta e a chuva cai para o justo e o injusto. Veio para todos”.

Sobre o empréstimo, Silas Malafaia não confirmou a notícia, nem usou as redes sociais para dizer se é verdade ou não que ele estaria disposto a penhorar a igreja para obter o empréstimo.

Com mais de 1 milhão de seguidores no Twitter e quase 2 milhões no Facebook, o líder religioso é um dos mais influentes quando o assunto é redes sociais. É através delas que ele comenta os principais acontecimentos políticos do país e divulga os trabalhos da igreja, associação, editora e gravadora.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.