Da Redação JM Notícia

Com as portas da igreja fechada, ato aconteceu em uma praça

Centenas de pessoas foram até Curitiba (PR) acompanhar o depoimento do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva ao juiz Sérgio Moro como réu da operação Lava Jato.

Os apoiadores do petista tentaram realizar uma vigília inter-religiosa na Catedral de Curitiba na noite da última terça-feira (9), mas ao chegarem no local encontraram as portas da igreja fechadas.

A senadora Gleisi Hoffmann chegou a gravar um vídeo lamentando a decisão da igreja em não oferecer espaço para o ato político. “Eu sinto muito que a Catedral de Curitiba esteja com as portas fechadas para esta vigília, muito triste isso. Esperava que a igreja nos recebesse de portas abertas, para uma movimentação pacífica, uma vigília pela democracia e pelo presidente Lula”, disse ela.

Gleisi lembrou que a Igreja Católica sempre foi aliada dos movimentos sociais e que não abrir as portas para o evento político em defesa de Lula a deixou triste. “Fico entristecida de hoje ela não estar aberta e nós temos que fazer a vigília aqui fora”.

VEJA TAMBÉM
Ex-presidente Lula é levado para depor na sede da PF

Após o acontecimento, o Arcebispo da capital paranaense, Dom José Antonio Peruzzo, esclareceu a decisão da igreja. “Face a atmosfera tão carregada, densa de potenciais confrontos, justamente para salvaguardar um ambiente que evite contraste e acirramento de ânimos, a Arquidiocese de Curitiba, não disponibilizará a Catedral ou suas instalações para a data prevista”, disse.

Os sindicalistas e membros de do Movimento Sem Terra se uniram com os políticos do Partido dos Trabalhadores e fizeram o ato em uma praça.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.