Da Redação JM Notícia

Alguns dos principais humoristas do gospel: Jonathan Nemer (Desconfinados), Daniel Araújo (Paxtorzão) e Vinícius Rodrigues (Tô Solto)

O pastor Ciro Sanches Zibordi resolveu escrever um artigo para pedir mais respeito aos youtubers cristãos, principalmente os de canais de humor.

O pastor aproveitou a participação de Vinícius Rodrigues, do canal “Tô Solto” no programa “Conversa com Bial”, da Rede Globo, para compartilhar uma entrevista feita com ele para a  revista Geração JC, ano XIII, número 106 (CPAD, 2015) a respeito dos limites do humor cristão.

Nessa entrevista ele afirmou que o próprio apóstolo Paulo se valia do humor para pregar e defender o evangelho, mas que usava esta estratégia como meio e não como um fim.

“O problema do chamado humor evangélico é que o seu objetivo, claramente, é a autopromoção. Muitos jovens estão fazendo vídeos de humor, prioritariamente, para serem vistos, e não para glorificarem a Deus”, afirmou Zibordi.

O pastor da Assembleia de Deus de Niterói, no Rio de Janeiro, entende que há limites para o humor cristão e ensina dois pontos para os humoristas do ramo: tudo o que fazemos deve glorificar a Deus e se abstenha de toda aparência do mal.

VEJA TAMBÉM
‘Não precisamos roubar ninguém’, diz pastor investigado por corrupção

Ele diz que um jovem pode sim fazer um vídeo de humor para satirizar o culto pentecostal, mas que irá indagar este mesmo jovem sobre se ele realmente deve fazer isso como servo de Deus.

“Embora não haja proibição expressa na Bíblia ao humor, quando o empregamos devemos perguntar a nós mesmos: Isso glorifica a Deus, convém aos cristãos e os edifica?”, diz Ciro Sanchez Zibordi.

Outra dica que o pastor dá a quem quer usar o humor como forma de evangelismo é não aparecer mais que Jesus Cristo. “Quando alguém prioriza o humorismo e o utiliza como o fim, e não como um meio, quem fica em evidência? A Pessoa central do Evangelho, ou o humorista?”

 

Sátira x Humor

Há uma linha tênue que divide humor da chacota, da sátira que mais humilha certo grupo do que traz mensagens descontraídas e no meio do humor evangélico isso também acontece. “De que maneira vídeos que satirizam a fé cristã ou o culto evangélico de modo ultrajante estão aproximando os pecadores de Jesus Cristo? Quando há bom senso, pregar o Evangelho usando o humorismo pode ser um meio válido. Mas valer-se da comicidade para autopromoção na Internet, tendo a evangelização como álibi, é um grande engano”, escreveu Ciro Zibordi.