Da Redação JM Notícia

Ao deixar o ministério da Agricultura e retomar a cadeira no Senado, a senadora Kátia Abreu tentou voltar à presidência da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), mas foi barrada pelos diretores da CNA, acusada de traição pelo produtores se aliando à esquerda. Como resultado, Kátia Abreu renunciou à presidência da CNA em julho de 2017 e segue em baixa com a classe no país.

Durante o processo de impeachment de Dilma, a senadora foi uma das principais defensoras da então presidente, o que a colocou em rota de colisão com a entidade e outras lideranças do setor, notoriamente a favor do afastamento de Dilma.

 

Kátia que se licenciou do cargo em 31 de dezembro de 2014 para assumir o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) ficará na presidência da entidade até 31 de dezembro de 2017. Em seu retorno, a senadora concentrará seu reforço na adaptação da casa para o fim da contribuição sindical, que está sendo debate no Congresso Nacional e conduzir o processo eleitoral do próximo pleito da Federação da Agricultura.

VEJA TAMBÉM
Depois de anunciar desistência da FAET, Kátia Abreu registra chapa com Paulo Carneiro

“Vamos continuar trabalhando em busca de recursos e de parcerias necessárias para resolver as pendências do setor, principalmente às demandas reprimidas dos produtores rurais do Tocantins”, garante Kátia Abreu.

COMPARTILHAR