Vereador defende implantação de blitz educativa em Palmas

Em alusão ao movimento “Maio Amarelo”, que chama atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo o Vereador Filipe Martins (PSC), sugere que seja realizada a implantação de blitz educativa, inclusive nas Escolas de Palmas. A proposta é que a campanha seja informativa e educativa no que se refere ao trânsito do Município de Palmas. O requerimento foi apresentado ainda no mês de fevereiro.

O parlamentar justifica que “muitos motoristas são imprudentes, dirigem sob o efeito de álcool, não usam cinto, motociclistas não usam o capacete como recomenda a lei, e ultrapassam os limites de velocidade.” Além de orientar os motoristas e pedestres, a sugestão é levar o assunto também para as escolas.

“Gostaria de ressaltar a grande relevância deste tema como papel transformador da sociedade. Educação no Trânsito, inclusive dentro das escolas ajudará, sem dúvida, no desenvolvimento dos valores essenciais à vida, servindo como um canal de informações e formação para as nossas crianças e adolescentes”, enfatiza o parlamentar.

Filipe Martins destaca ainda que a proposta do “Maio Amarelo” deve permanecer durante todo o ano, como um alerta e de forma preventiva para evitar mais vitimas oriundas de imprudência e desrespeito às Leis de Trânsito. “Hoje as estatísticas são alarmantes. Há mais vitimas no trânsito do que em assaltos e outros tipos de violência, por exemplo,” pondera.

VEJA TAMBÉM
Filipe Martins prestigia congressos estaduais e destaca avivamento

Estatísticas assustadoras

Um estudo da OMS (Organização Mundial da Saúde) contabilizou, em 2009, cerca de 1,3 milhão de mortes por acidente de trânsito em 178 países. Aproximadamente 50 milhões de pessoas sobreviveram com sequelas.

São três mil vidas perdidas por dia nas estradas e ruas ou a nona maior causa de mortes no mundo. Os acidentes de trânsito são o primeiro responsável por mortes na faixa de 15 a 29 anos de idade; o segundo, na faixa de 5 a 14 anos; e o terceiro, na faixa de 30 a 44 anos. Atualmente, esses acidentes já representam um custo de US$ 518 bilhões por ano ou um percentual entre 1% e 3% do PIB (Produto Interno Bruto) de cada país.

Se nada for feito, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 (passando para a quinta maior causa de mortalidade) e 2,4 milhões, em 2030. Nesse período, entre 20 milhões e 50 milhões de pessoas sobreviverão aos acidentes a cada ano com traumatismos e ferimentos.

VEJA TAMBÉM
Deputado critica cobrança excessiva de taxas para igrejas

O Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.